Simeone lembra Roma como necessidade de o Atl. Madrid vencer o Sporting

O treinador dos colchoneros lembrou esta quarta-feira o triunfo de terça-feira da Roma sobre o Barcelona, afastando-o da Liga dos Campeões, como necessidade para vencer o Sporting e seguir em frente na Liga Europa.

Diego Simeone, que falava em conferência de antevisão ao encontro de quinta-feira, da segunda mão dos quartos de final da Liga Europa, diz que só pode estar surpreendido com o triunfo dos italianos quem não está atento ao futebol.

"Para quem está dentro do futebol, dar a volta a um resultado 2-0 não é surpreendente. É um jogo e num jogo há bons e maus momentos. Qualquer erro pode criar uma situação concreta de golo e isso altera tudo o que estava planeado", alertou, salientando que se lhe dessem a possibilidade de tirar um jogador do Sporting "seria o Bruno Fernandes, sem dúvida".

Simeone acredita que o Sporting vai apresentar surpresas no esquema tático. O treinador madrileno salienta que não seria a primeira vez que Jorge Jesus faria alterações e lembrou que já o fez quando defrontou a Juventus na Liga dos Campeões, quando alinhou com três defesas-centrais.

"Vamos procurar um equilíbrio, para minimizar as virtudes do Sporting e maximizar as nossas qualidades. Temos um estilo de jogo que não varia muito. Do outro lado, o Sporting tem um treinador inteligente e que jogará com todas as soluções para dar a volta à eliminatória. Nós vamos jogar com o tempo para seguir em frente na prova", afirmou.

O capitão de equipa do Atlético de Madrid, o médio Gabi, frisa que o jogo de quinta-feira será "complicado" e não espera facilidades, apesar das ausências no Sporting.

"O Sporting é uma equipa importante, foi muito respeitada na Liga dos Campeões. Não acredito que tenhamos as coisas mais fáceis com as baixas do Sporting. Eles vão estar muito motivados. O resultado da Roma foi um aviso para todos. Não só para o Sporting, como para nós. Amanhã, vamos todos mais atentos", alertou.

Mais do que a importância do jogo com o Sporting, a conferência de imprensa rondou essencialmente o anúncio do abandono do futebol por parte de Fernando Torres, jogador que tem perdido espaço na equipa liderada por Diego Simeone.

"Tenho uma grande admiração por ele. Respeito a decisão dele. Ele foi, é e será um símbolo do Atlético de Madrid. Um título a mais ou a menos não lhe retira importância. Temos algo em comum que nos une: ganhar", disse Simeone.

Já Gabi vai mais longe, frisando ser prematuro em falar em jogo de homenagem a Fernando Torres.

"Vamos lutar juntos, com ele incluído, para ter a homenagem que merece. Seria importante que Fernando Torres continuasse a jogar. Os títulos seriam uma boa prenda para ele", concluiu.

O Atlético de Madrid defronta esta quinta-feira, no Estádio José Alvalade, às 20.05, o Sporting, em jogo da segunda mão dos quartos de final da Liga Europa, sob a arbitragem do sérvio Mirolad Mazic.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...