Sérgio Conceição mantém Benfica na luta pelo título nacional

O treinador do FC Porto recordou duas épocas em que o campeão recuperou atraso de sete pontos. Sobre o facto de o jogo com o Estoril se realizar apesar das baixas nos canarinhos devido à covid-19, o técnico lembrou que "os regulamentos são para respeitar".

Sérgio Conceição, treinador do FC Porto, reconheceu esta sexta-feira que a sua equipa e o Sporting podem ser consideradas mais candidatas a vencerem a I Liga, mas não exclui o Benfica dessa luta.

Sérgio Conceição recordou duas temporadas com reviravoltas na tabela classificativa, para sustentar a ideia de que os encarnados ainda podem chegar à frente. "As duas equipas que estão na frente acabam por ser mais candidatas, têm mais pontos, mas estamos a um jogo de acabar a primeira volta. São clubes habituados à pressão de vencer, não excluo o Benfica e isto não é bluff", disse o técnico em conferência de imprensa de antevisão da partida da 17.ª jornada, última da primeira volta, com o Estoril.

O treinador lembrou o exemplo que aconteceu há três anos, com a reviravolta do Benfica, que acabaria por ser campeão nessa época. Em 2018-19, o Benfica venceu a prova depois de ter estado sete pontos atrás do FC Porto. Mas, em 2019-20, a situação foi ao contrário. O FC Porto recuperou sete pontos e sagrou-se campeão.

"Aconteceu em dois anos diferentes, provámos disso já. Há uma volta completa, há mais um jogo para fazer e justificar estarmos no lugar que queremos, em maio", disse ainda.

Sobre o jogo em casa do Estoril, este sábado (19.00 horas), Sérgio Conceição revelou estar à espera de dificuldades, perante "um adversário que tem feito um excelente campeonato".

"Vem com os mesmos hábitos do ano passado, em que fez um campeonato exemplar e subiu. Este ano deu continuidade a isso, na Liga tem três derrotas. É uma equipa muito bem trabalhada, que também não sofre muitos golos e, por isso, espera-nos um jogo difícil na preparação. Mas estamos focados em nós, nas nossas dinâmicas para chegar lá e ganhar o jogo", referiu o treinador.

O técnico portista abordou ainda a decisão de não adiar o jogo com a equipa do Estoril, depois de esta ter sido afetada com vários casos positivos da covid-19.

"Sou treinador do futebol, não decido nada disso. Quem decide se há ou não jogo é a Liga e, neste caso, a DGS (Direção-Geral da Saúde). Agora, temos de respeitar os regulamentos. Houve uma reunião há bem pouco tempo, na qual estavam todos os clubes, e o que ficou aprovado foi haver um número mínimo de jogadores, neste caso 13, incluindo um guarda-redes. A partir desse momento, os regulamentos são para respeitar", começou por dizer Sérgio Conceição, que falou também das baixas do FC Porto.

"Se calhar, temos mais baixas do que o Estoril. Temos vários jogadores lesionados, outros na CAN. Estamos aqui para respeitar os regulamentos e é o que vamos fazer. Vamos a jogo, se calhar, também sem o número completo de jogadores que deviam estar no banco. É para verem o tamanho das nossas dificuldades. Temos de viver um pouco com isso. Obviamente que se me perguntar se gostava que as duas equipas estivessem na máxima força, claramente que sim", esclareceu ainda o técnico, que garantiu não há nenhum teste positivo à covid-19 no plantel portista.

Em relação às possíveis saídas de Luis Díaz e Sérgio Oliveira no mercado de inverno, Sérgio Conceição revelou-se descansado e otimista. "Confio muito no presidente, que tem 63 títulos no futebol. Naquilo que é a composição do plantel e nas entradas e saídas do mesmo", concluiu.

O FC Porto, que lidera o campeonato, com os mesmos 44 pontos do que o Sporting, defronta, pelas 18.00 horas de sábado, o Estoril, que ocupa a quinta posição, com 25, numa partida da 17.ª jornada da I Liga, que será arbitrada por António Nobre, da associação de Leiria.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG