Selecionador inglês apanhado a "vender-se" por 400 mil libras

Escândalo em Inglaterra com Sam Allardyce. Jornalistas com câmara oculta fizeram-se passar por intermediários de investidores asiáticos

O selecionador inglês de futebol, Sam Allardyce, foi apanhado por uma investigação do jornal inglês The Telegraph a dar conselhos sobre como fintar os regulamentos de transferências de jogadores da Federação Inglesa (FA) e a negociar um pagamento de 400 mil libras (cerca de 460 mil euros) para se reunir com falsos investidores asiáticos.

Num encontro com jornalistas da equipa de investigação do Telegraph, que se fizeram passar por intermediários de homens de negócios interessados em entrar no mundo das transferências de jogadores e gravaram as conversas através de câmaras ocultas, Sam Allardyce diz que é possível ludibriar a proibição da partilha de passes de jogadores com terceiros (third-party ownership). "Sim, pode-se dar a volta a isso", respondeu o selecionador inglês aos falsos investidores em relação à proibição decretada pela FA em 2008 e adotada também pela FIFA em 2015.

Allardyce deu o exemplo de Enner Valencia, contratado por ele quando treinava o West Ham, em 2014, e cujo passe estava repartido por terceiros, e apontou países como Portugal, Espanha, Bélgica, toda a África e toda a América do Sul como mercados onde ainda se pratica a partilha de passes de jogadores.

Durante as conversas gravadas em segredo - duas, uma em Londres e outra em Manchester - Allardyce acede a viajar até à Ásia para se encontrar com os alegados investidores e explicar-lhes como contornar os regulamentos da FA a troco de 400 mil libras. E ainda criticou o seu antecessor Roy Hodgson: "Não tem personalidade para falar em público. Toda a gente adormece." Bem como os jogadores ingleses: "Têm uma barreira psicológica que não conseguem superar e os faz serem incapazes de jogar pela Inglaterra.

Com um contrato de três milhões de libras (3,6 milhões de euros) por ano como selecionador inglês, Sam Allardyce vai agora enfrentar o escrutínio da FA às revelações publicadas pelo Telegraph. A federação inglesa já informou que vai abrir um inquérito para averiguar os factos. E o jogo de estreia do técnico, frente à Eslováquia (vitória por 1-0 em Bratislava, no arranque da qualificação para o Mundial 2018), pode muito bem ter sido também o último.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG