Saiba por que Manuel Cajuda foi rejeitado na seleção

O treinador revela que foi sondado para assumir o comando técnico da seleção nacional, em 2010, mas a Federação Portuguesa de Futebol apresentou-lhe três condições, no mínimo, insólitas.

Manuel Cajuda, atualmente com 63 anos e ao serviço dos chineses do Tianjin Songjiang, confirmou que em 2010 foi abordado pela Federação Portuguesa de Futebol, com vista à sucessão de Carlos Queiroz, mas recebeu três condições extra-desportivas para poder ser o novo selecionador nacional.

"Fui hipótese quando o Paulo Bento entrou. Nessa altura percebi a realidade. Um vice-presidente perguntou-me se eu conhecia alguém importante no Espírito Santo, depois perguntou-me se eu era amigo de um determinado empresário e se tinha alguma coisa com uma marca de equipamentos. Disseram-me que em princípio não seria o selecionador nacional", contou, em entrevista à Rádio Renascença.

A Federação Portuguesa de Futebol, recorde-se, acabou por escolher Paulo Bento, após uma tentativa falhada em contratar José Mourinho para um período mínimo de dois jogos. Quanto à saída do selecionador que se estreou a perder na fase de qualificação para o Euro 2016, antes da consequente demissão, Cajuda deixa críticas.

"Quando se renova um contrato com um treinador para o despedir dois meses depois, é provavelmente sinal de que alguém não sabe o que está a fazer", atirou, embora considere que Portugal "foi a pior seleção do Mundial" 2014, no Brasil.

"A conclusão a que se chegou é patética, no mínimo. Até o Paulo Bento estranhou a conclusão de que só o médico era responsável e acho que o Paulo Bento foi vítima", acrescentou.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.