Paulo Bento quer "altos índices de agressividade"

Selecionador aponta a duas vitórias no encerramento da fase de qualificação para o Mundial 2014 e não considera que as chamadas de Cédric e André Almeida sejam uma surpresa.

O selecionador português de futebol, Paulo Bento, considerou nesta sexta-feira que Portugal vai ter de mostrar "índices de agressividade" altos, para poder vencer Israel e Luxemburgo e não repetir os erros evidenciados na primeira volta.

"Uma equipa que não tenha altos índices de agressividade, ofensivamente e defensivamente, vai ter muitas dificuldades", considerou Paulo Bento na conferência de imprensa em que anunciou os convocados para os confrontos com Israel e Luxemburgo, últimos compromissos do Grupo F europeu de qualificação para o Mundial2014.

O selecionador deu como exemplo o último jogo de qualificação, contra a Irlanda do Norte, em que Portugal esteve a perder, teve um jogador expulso (Hélder Postiga) e conseguiu vencer por 4-2.

"A capacidade e a agressividade que revelámos para jogar em inferioridade, para dar a volta ao resultado, foi extraordinária", disse Paulo Bento, acrescentando que a equipa terá de ter a mesma atitude contra Israel, na próxima sexta-feira, no Estádio José Alvalade, em Lisboa, e contra o Luxemburgo, na terça-feira seguinte, no Estádio Cidade de Coimbra.

Por outro lado, considerou o selecionador, a equipa não poderá repetir os erros que fez quando jogou fora contra estas mesmas duas seleções, uma vez que está em jogo a qualificação direta para o Mundial ou, pelo menos, o acesso ao "play-off".

"Foram dois jogos complicados, começando pelos 15 minutos em que não estivemos bem no primeiro jogo contra o Luxemburgo e pela forma como jogámos quando nos apanhámos a ganhar contra Israel", disse o selecionador, numa referência à vitória sofrida contra a equipa luxemburguesa (2-1) e à perda de pontos contra Israel (3-3) após ter estado a ganhar.

Por isso, Paulo Bento quer corrigir "a forma como Portugal jogou e não deveria ter jogado" contra Israel, em março, e contra o Luxemburgo "nos primeiros minutos" da partida de setembro do ano passado.

"Temos de fazer algo diferente nestes jogos que não fizemos quando jogámos fora", concluiu.

Quanto ao próximo adversário, Paulo Bento não acredita que Israel - adversário direto de Portugal na qualificação - altere a sua maneira de jogar para o jogo de sexta-feira, no estádio José Alvalade.

"Não me parece que seja uma equipa que vá mudar muito a sua filosofia. Jogam com um bloco baixo e procuram situações de transição", disse o selecionador.

Sobre as grandes novidades da convocatória, a chamada dos defesas Cédric (Sporting) e André Almeida (Benfica), Paulo Bento declarou que não as considera "surpresas".

"Não falaria em surpresas. Ambos tiveram um percurso nas seleções sub-21", disse Paulo Bento, que sublinhou que o lateral do Benfica "traz ao grupo uma característica diferente, que é a polivalência de poder fazer a posição seis", ou seja jogar a médio defensivo.

Questionado sobre se estará atento a deslizes da Rússia, que lidera o grupo F com um ponto de vantagem sobre Portugal, Paulo Bento disse que estará preocupado sobretudo com a sua equipa.

"Portugal tem de ganhar os dois jogos, fazer o que depende de nós. Se olhamos para os outros jogos, deixamos de estar focados no que precisamos: fazer 23 pontos nesta fase. O que vier por acréscimo logo vemos", disse.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG