Um ensaio tão mau que terá servido para eliminar vários nomes

Cancelo foi expulso e arrisca lugar no Mundial; Manuel Fernandes, André Gomes e Rolando também deixaram dúvidas

Portugal teve ontem a sua pior derrota desde que Fernando Santos é selecionador: 0-3 com a Holanda em Genebra, na Suíça, num jogo de preparação para o Mundial em que o campeão europeu esteve completamente ausente.

Foi um jogo tão fraco da equipa portuguesa, que se deu para alguma coisa terá sido para Fernando Santos começar a cortar alguns nomes da lista para o Mundial desde já. Até porque foi o último jogo antes da convocatória final para o Mundial da Rússia. Cancelo, expulso aos 61", é um caso; Manuel Fernandes pareceu fora do jogo; e Mário Rui também não deve ter vida longa em tempo curto (um bom tiro na segunda parte, ele que foi o 32.º jogador a estrear-se com o atual selecionador). André Gomes está numa enorme crise e Rolando também não foi propriamente o líder necessário na defesa. Fernando Santos, no fim, ainda disse que tinha tirado coisas da análise dos jogadores, ou seja, o jogo tem consequências.

Portugal esteve abaixo dos mínimos para um campeão europeu e estava a perder 3-0 ao intervalo. Havia nove jogadores diferentes na equipa nacional em relação ao jogo com o Egito de sexta-feira passada (ficaram Rolando e Cristiano Ronaldo, Mário Rui estreou-se), mas a Holanda, em 5-3-2, também tinha sete jogadores diferentes em relação à equipa que tinha perdido com a Inglaterra, na estreia de Ronald Koeman como selecionador dos laranjas.

Ao fim dos primeiros 45 minutos, Portugal tinha 59% de posse de bola absolutamente estéril, em zonas que não ameaçavam minimamente Cillessen, não tinha feito um remate (a estatística da FPF dizia 2, eu não vi nenhum). E perdia 3-0. E a outra oportunidade foi da Holanda, com uma grande defesa de Lopes. Antes, num contra-ataque, Depay marcou no primeiro remate a qualquer das balizas (emendando um mau remate de van de Beek), Babel marcou o segundo, de cabeça, num centro de de Ligt (um dos três centrais, que foi fazer de extremo) e, num livre lateral, de Ligt ao segundo poste deu de cabeça para trás e Van Dijk chutou de primeira, sem hipóteses. Digamos que sempre que passou do meio--campo, a Holanda ou fez golo ou esteve muito perto.

A Holanda jogava de forma compacta, Portugal de forma desgarrada e, a defender, aquele meio--campo com André Gomes a trinco foi um susto.

Entraram Gonçalo Guedes, André Silva e Luís Neto ao intervalo, depois Gelson, houve uma pequena reação, mas depois Cancelo foi expulso e tudo passava de difícil para impossível. Com João Moutinho, finalmente a equipa teve alguma estabilidade no meio-campo, com Gelson teve criatividade, começou finalmente a ter gente na área, teve uma ou outra oportunidade, mas não marcou mesmo.

A Holanda da segunda parte limitou-se a deixar correr o marfim, porque para um treinador novo e para uma equipa que ficou de fora das últimas duas grandes manifestações, ganhar com esta nitidez a campeão europeu só pode ser um grande impulso. Deu para estrear Justin Kluivert aos 18 anos, a mesma idade em que o pai, Patrick, fez o primeiro jogo pela seleção laranja - é o nono holandês a jogar na seleção depois do pai (outro foi o pai de Koeman, além de Cruyff e o seu filho). E Bas Dost nem entrou porque esta equipa para jogar com um ponta de lança fixo e alto só com equipas pequenas e em melhores condições.

Ronaldo jogou 68 minutos, sem brilhos a não ser num grande tiro de cabeça mas em fora-de-jogo, e depois num cruzamento que saiu remate (André Silva e Guedes estavam longe, porém...). Não valia a pena continuar depois dos 90 minutos de sexta-feira. Até porque a equipa estava descrente e a Holanda muito segura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.