Scolari diz que Ronaldo "é danado" com as mulheres

Ex-selecionador nacional defende madeirense, garante que ele é o melhor do mundo a trabalhar, fala da vaidade dos futebolistas e ainda de cremes que são colocados depois do banho

Luiz Felipe Scolari igual a ele próprio. O antigo selecionador nacional e agora selecionador do Brasil deu uma palestra em Santos na qual defendeu Cristiano Ronaldo, que se estreou na equipa das quinas pela sua mão.

"Todos dizem grandes disparates, que o Cristiano Ronaldo é isto ou aquilo. O Cristiano é o melhor do mundo para se trabalhar. Está sempre pronto. Quer sempre mais e procura sempre fazer algo diferente", afirmou Scolari»

Em seguida, Felipão abordou a vaidade dos jogadores e ainda teve tempo para revelar a paixão que Ronaldo tem pelo sexo oposto.

"Reclamam porque ele coloca gel. Ele que ponha gel, ele é bonito. Deixem-no ser bonito. Outra coisa, ele é danado. Passou à frente, ele apanha. Tinhoso. Então, deixa. Criticam-no porque olha para as câmaras quando marca. Marque o golo! O jogador de futebol é vaidoso no modo de se vestir, nos cremes que usa. Depois do banho, eles ficam 20 minutos a colocar creme nas pernas. Deixem-nos", pediu Scolari, que tem mais dificuldade em lidar com intérpretes menos talentosos.

"Difícil é fazer o jogador ruim entender que é ruim", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.