Scolari diz que Ronaldo "é danado" com as mulheres

Ex-selecionador nacional defende madeirense, garante que ele é o melhor do mundo a trabalhar, fala da vaidade dos futebolistas e ainda de cremes que são colocados depois do banho

Luiz Felipe Scolari igual a ele próprio. O antigo selecionador nacional e agora selecionador do Brasil deu uma palestra em Santos na qual defendeu Cristiano Ronaldo, que se estreou na equipa das quinas pela sua mão.

"Todos dizem grandes disparates, que o Cristiano Ronaldo é isto ou aquilo. O Cristiano é o melhor do mundo para se trabalhar. Está sempre pronto. Quer sempre mais e procura sempre fazer algo diferente", afirmou Scolari»

Em seguida, Felipão abordou a vaidade dos jogadores e ainda teve tempo para revelar a paixão que Ronaldo tem pelo sexo oposto.

"Reclamam porque ele coloca gel. Ele que ponha gel, ele é bonito. Deixem-no ser bonito. Outra coisa, ele é danado. Passou à frente, ele apanha. Tinhoso. Então, deixa. Criticam-no porque olha para as câmaras quando marca. Marque o golo! O jogador de futebol é vaidoso no modo de se vestir, nos cremes que usa. Depois do banho, eles ficam 20 minutos a colocar creme nas pernas. Deixem-nos", pediu Scolari, que tem mais dificuldade em lidar com intérpretes menos talentosos.

"Difícil é fazer o jogador ruim entender que é ruim", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.