Portugal empata com a Coreia (2-2)

A equipa nacional mas foi melhor, mas defende mal. Feitas as contas a igualdade não coloca em causa o apuramento para a fase seguinte mas deixa um certo sabor amargo

FINAL - Portugal é melhor, mas os coreanos souberam aproveitar as oportunidades que tiveram à disposição e a equipa de Edgar Borges quando teve ensejo para matar o jogo deixou a oportunidade passar.

83' - Última aposta de Edgar Borges, sai Aladje (Aprillia) e entra Ivan Cavaleiro (Benfica).

76' - Kim Yun aproveita um lance sobre a esquerda e a saída de José Sá para encostar para o 2-2. Parece haver um fora-de-jogo milimétrico na altura do último passe.

73' - Bruma esteve a milímetros de acabar com o jogo. Recebeu a bola de Tozé e, sobre a esquerda da área, remata cruzado ao lado.

72' - Segunda substituição na equipa portuguesa. Sai Esgaio (Sporting) e entra Ricardo (V. Guimarães, já contratado pelo FC Porto).

66' - Remate inesperado de Mica com a bola a bater estrondosamente na barra.

60' - Bruma faz o segundo golo, surge pelo meio, o que não vinha fazendo, e desfere um remate indefensável. Está feito o 2-1!

49' - Portugal instala-se no meio-campo coreano tentando penetrar pelos corredores, para já sem sucesso.

46'- Recomeça o jogo.

Substituição. Entra Tozé (FC Porto) e sai André Gomes (Benfica)

INTERVALO: Portugal começou muito bem o jogo, marcando ao terceiro minuto pelo matador Aladje e parecia estar completamente dono e senhor do jogo. Bruma até teve o 2-0 nos pés, mas quando já poucos esperavam Ryu empatou o jogo. E a Coreia até deu alguns avisos traduzidos em cantos inofensivos.

45+1' - Grande golo da Coreia. Falha de Agostinho Cá, Ryu tira Ilori do lance e remata na zona fronta sem hipóteses para João Sá.

45' - Remate de André Gomes em boa posição mas por cima da baliza coreana.

41' - Kim Yun tira Ilori do caminho e remata para defesa atenta de José Sá.

32' - Ryu remata às malhas laterais.

27' - Notável jogada do ataque lusitano, com Bruma a combinar com Aladje. O sportinguista fica isolado mas permite a defesa do guardião Changgeun Lee. .

26' - As duas equipas agora tentam jogar em ataque planeado mas Portugal parece ter o controlo do jogo.

19' - A Coreia tenta reagir mas Portugal tapa bem os caminhos para a baliza de José Sá.

13' - Remate de Bruma com boa defesa do guarda-redes coreano após boa solicitação de Esgaio.

9' - Início muito forte de Portugal

3' - Do canto nasce o primeiro golo português, centro de João Mário e Aladje marca, de cabeça, ao segundo poste. 1-0 para Portugal.

2' - Primeiro canto para a seleção nacional à passagem do segundo minuto.

- Começou o jogo, sai Portugal.

- E agora o hino sul-coreano

- Ouve-se o hino português em Kayseri.

- As equipas estão preparadas para entrar em campo. Portugal joga com o seu equipamento normal, a Coreia apresenta-se toda de branco.

- O árbitro é o guatemalteco Walter Gomez.

- No outro jogo do grupo a Nigéria venceu Cuba por 3-0. Os africanos somaram os primeiros pontos depois da derrota com Portugal. Cuba voltou a perder depois do 1-2 diante da Coreia do Sul na primeira ronda.

- Destaque para as entradas de Dabo (Sp. Braga), Ilori (Sporting), Agostinho Cá (Barcelona) e Esgaio (Sporting) para os lugares de Cancelo (Benfica), Tiago Ferreira (FC Porto), Ricardo Alves (Belenenses) e Ricardo (V. Guimarães).

- Já se sabe o onze de Portugal. José Sá; Tomás Dabo, Edgar Ié, Tiago Ilori e Mica; André Gomes, Agostinho Cá e João Mário; Ricardo Esgaio, Aladje e Bruma.

As duas seleções vêm de triunfos na primeira jornada, com Portugal a apresentar-se com uma difícil vitória por 3-2 sobre a Nigéria, num encontro em que até esteve a vencer por 2-0 e permitiu à equipa africana empatar, mas respondeu de imediato e acabou por conquistar três importantes pontos.

Ainda mais fácil parecia a tarefa da Coreia do Sul, claramente favorita diante de Cuba, mas os coreanos praticamente entraram a perder e só vieram a anotar o tento da reviravolta muito perto dos 90 minutos.

No encontro de hoje, a equipa que somar os três pontos fica em excelente posição para poder garantir a vitória no grupo, podendo desde logo festejar a qualificação, caso se registe um empate entre cubanos e nigerianos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.