Nani: "O futebol livrou-me das coisas más"

O futebolista do Valência admite que o futebol o livrou de "muitos problemas" e já sonha em conquistar o Mundial 2018

O campeão da Europa Nani contou hoje à FIFA a sua história de vida dentro e fora do futebol, considerando que a sua vivência pode ajudar e inspirar outros jovens com infância difícil.

"Sempre tive de lutar muito por tudo o que alcancei na vida. Passei por muito desde criança e continuo a lutar pelo que desejo. Acreditei muito que era possível e estou muito orgulhoso por cada conquista. Quero mostrar ao meu filho quem sou, de onde vim e que nem tudo foi fácil. Espero ser um exemplo para outras crianças, a minha história pode ensinar-lhes muito", disse o jogador, de 29 anos.

Nani, que esta época vai representar o Valência, entende que a sua história "pode ensinar muito às crianças", nomeadamente na "luta e procura da felicidade".

"Não devemos abandonar os nossos sonhos. Se lutarmos, vão acontecer coisas boas. Não há dúvida de que o futebol me salvou de problemas em miúdo. Não vou dizer que nunca fiz nada de errado, mas tudo para mim girava em torno do jogo. Foi assim que me livrei das coisas más", confessou.

Na conversa com a FIFA, a inevitável abordagem à estreia no apuramento para o Mundial2018, na terça-feira, com visita à Suíça, no Grupo B, no início de outro sonho, que é conquistar o inédito título mundial.

"Claro que queremos ser campeões. Quando se ganha algo, a mentalidade não pode mudar. Não há garantias de que possamos ganhar sempre, mas podemos continuar a sonhar e conquistar coisas como aconteceu no Europeu. Contra a Suíça temos de começar da melhor maneira e, desde início, tentar impor as nossas qualidades", frisou.

Nani diz que "o futebol é um jogo de sonhos" e que é esse o caminho de Portugal, tentando repetir o feito do Euro2016.

"Temos de ver o que acontece na qualificação do Mundial, mas vamos tentar levar Portugal o mais alto possível", prometeu.

Nani recorda ainda o Euro2016, o momento em que ficou com a braçadeira de 'capitão' pela lesão de Cristiano Ronaldo e o gesto do madeirense que lhe ofereceu a 'bola de prata'.

"Marcámos os mesmos golos no Europeu e fiquei realmente agradecido pelo presente. Foi um gesto simpático que me tocou. Ele disse-me: 'Estou a dar-te isto pela tua atitude, por todo o teu esforço e por tudo o que fizeste nesta equipa, porque ajudaste muito'", revelou Nani.

O extremo recordou o "momento triste" da lesão do 'capitão' na final com a França, alguém por quem o grupo nutre "grande respeito" e que "lutou muito" pelo êxito.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.