Nani diz que Portugal tem "margem mínima de erro"

Extremo frisa que seleção está obrigada a "ganhar todos os jogos" para conseguir apuramento direto para o Mundial

O extremo Nani afirmou hoje que Portugal tem "margem mínima de erro" na qualificação para o Mundial2018 de futebol e disse que não está preocupado com a possibilidade de perder a titularidade para André Silva.

"Não me sinto ameaçado por nada. Sempre que venho à seleção sei que sou mais um jogador e que não tenho lugar garantido. Venho confiante e ciente que o que tenho que fazer é ajudar a equipa. Vamos esperar até ao dia do jogo para ver quem vai jogar. Quem jogar vai dar o seu melhor", afirmou Nani.

O jogador do Valência falava em conferência de imprensa na Cidade do Futebol, em Oeiras, minutos antes de Portugal realizar o primeiro treino de preparação para o jogo com a Letónia, da quarta jornada do grupo B da fase de apuramento para o próximo Campeonato do Mundo, que se vai realizar na Rússia.

Nani falhou os dois últimos jogos da seleção nacional, frente a Andorra e Ilhas Faroé (ambos vitória por 6-0), e foi rendido no 'onze' por André Silva, que marcou um total de quatro golos, incluindo um 'hat-trick' em Torshavn.

Para o extremo de 29 anos, Portugal está obrigado a vencer no domingo a Letónia e todos os jogos que restam da qualificação, de forma a alcançar o primeiro lugar do grupo B, o único que garante o acesso direto à fase final do Mundial2018.

"Temos margem mínima de erro. Começámos mal perante uma das favoritas para a passar, que é a Suíça, e a nossa qualificação ficou um pouco mais complicada. Demos uma excelente resposta nos últimos dois jogos e temos que continuar assim. Se queremos ser primeiros, temos que ganhar todos os jogos", frisou.

O jogador formado do Sporting assumiu que a seleção lusa é favorita frente à Letónia, ainda mais a jogar em casa, sendo que a última derrota com o estatuto de anfitrião foi há mais de dois anos.

"Não há jogos fáceis e a Letónia não foge à regra. Vamos ter que provar dentro de campo que somos melhores. Se fizermos tudo o que sabemos e colocarmos a nossa qualidade dentro de campo, vai ser muito difícil bater-nos em casa", disse.

Nani, que é o quarto jogador da história do futebol português com mais internacionalizações pela seleção principal (105), abordou ainda a chegada de novas caras à equipa, como por exemplo Gelson Martins.

"É um bocado tímido. Já lhe disse para não ter medo de nada e que todos começamos assim. Ele tem muito potencial e disse-lhe para, quando for chamado, mostrar o que sabe", contou.

O antigo jogador do Manchester United está a cumprir sua primeira temporada no Valência e mostrou-se satisfeito com a nova experiência, apesar de o clube 'che' já ter trocado de treinador e de estar apenas um ponto acima da zona de despromoção na liga espanhola.

"A minha vida está espetacular em Valência. O clima é bom, a cidade é fantástica e estou a jogar num excelente campeonato", referiu.

O Portugal-Letónia, da quarta jornada do grupo B, está agendado para 13 de novembro, domingo, no Estádio Algarve.

A seleção nacional, atual campeã da Europa, ocupa o segundo lugar do agrupamento com seis pontos, menos três do que a Suíça, que lidera. A formação letã é quinta e antepenúltima com apenas três pontos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.