Nani diz que Portugal tem "margem mínima de erro"

Extremo frisa que seleção está obrigada a "ganhar todos os jogos" para conseguir apuramento direto para o Mundial

O extremo Nani afirmou hoje que Portugal tem "margem mínima de erro" na qualificação para o Mundial2018 de futebol e disse que não está preocupado com a possibilidade de perder a titularidade para André Silva.

"Não me sinto ameaçado por nada. Sempre que venho à seleção sei que sou mais um jogador e que não tenho lugar garantido. Venho confiante e ciente que o que tenho que fazer é ajudar a equipa. Vamos esperar até ao dia do jogo para ver quem vai jogar. Quem jogar vai dar o seu melhor", afirmou Nani.

O jogador do Valência falava em conferência de imprensa na Cidade do Futebol, em Oeiras, minutos antes de Portugal realizar o primeiro treino de preparação para o jogo com a Letónia, da quarta jornada do grupo B da fase de apuramento para o próximo Campeonato do Mundo, que se vai realizar na Rússia.

Nani falhou os dois últimos jogos da seleção nacional, frente a Andorra e Ilhas Faroé (ambos vitória por 6-0), e foi rendido no 'onze' por André Silva, que marcou um total de quatro golos, incluindo um 'hat-trick' em Torshavn.

Para o extremo de 29 anos, Portugal está obrigado a vencer no domingo a Letónia e todos os jogos que restam da qualificação, de forma a alcançar o primeiro lugar do grupo B, o único que garante o acesso direto à fase final do Mundial2018.

"Temos margem mínima de erro. Começámos mal perante uma das favoritas para a passar, que é a Suíça, e a nossa qualificação ficou um pouco mais complicada. Demos uma excelente resposta nos últimos dois jogos e temos que continuar assim. Se queremos ser primeiros, temos que ganhar todos os jogos", frisou.

O jogador formado do Sporting assumiu que a seleção lusa é favorita frente à Letónia, ainda mais a jogar em casa, sendo que a última derrota com o estatuto de anfitrião foi há mais de dois anos.

"Não há jogos fáceis e a Letónia não foge à regra. Vamos ter que provar dentro de campo que somos melhores. Se fizermos tudo o que sabemos e colocarmos a nossa qualidade dentro de campo, vai ser muito difícil bater-nos em casa", disse.

Nani, que é o quarto jogador da história do futebol português com mais internacionalizações pela seleção principal (105), abordou ainda a chegada de novas caras à equipa, como por exemplo Gelson Martins.

"É um bocado tímido. Já lhe disse para não ter medo de nada e que todos começamos assim. Ele tem muito potencial e disse-lhe para, quando for chamado, mostrar o que sabe", contou.

O antigo jogador do Manchester United está a cumprir sua primeira temporada no Valência e mostrou-se satisfeito com a nova experiência, apesar de o clube 'che' já ter trocado de treinador e de estar apenas um ponto acima da zona de despromoção na liga espanhola.

"A minha vida está espetacular em Valência. O clima é bom, a cidade é fantástica e estou a jogar num excelente campeonato", referiu.

O Portugal-Letónia, da quarta jornada do grupo B, está agendado para 13 de novembro, domingo, no Estádio Algarve.

A seleção nacional, atual campeã da Europa, ocupa o segundo lugar do agrupamento com seis pontos, menos três do que a Suíça, que lidera. A formação letã é quinta e antepenúltima com apenas três pontos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.