Jornalistas espanhóis que acompanham Portugal incrédulos com caso Lopetegui

"Assombro total. Uma bomba que caiu na seleção e que era inimaginável", disse um jornalista da TVE

Jornalistas espanhóis que acompanham a seleção portuguesa de futebol no Mundial2018 revelaram-se hoje incrédulos com os acontecimentos da equipa espanhola, que levaram à destituição de Julen Lopetegui a dois dias do jogo com Portugal.

"Assombro total. Uma bomba que caiu na seleção e que era inimaginável, anda para mais com a trajetória da seleção que era só sucesso desde que Lopetegui pegou na 'roja'. Um incómodo. Deixar a seleção a 48 horas de começar o mundial é inaudito", disse à Lusa Alejandro Rodriguez, repórter da televisão nacional TVE.

Luis Mora, da rádio Cadena Ser, manifestava a mesma estupefação, dizendo que "é incrível" o que aconteceu. "A dois dias de começar o mundial? Primeiro a notícia da contratação de Lopetegui pelo Real Madrid e agora a sua destituição. As pessoas ficam perturbadas. Isto não parece sério", disse.

Na terça-feira o Real Madrid anunciou Julen Lopetegui, treinador do FC Porto entre 2014 e 2016, sem qualquer troféu, como substituto do tricampeão europeu Zinedine Zidane, e hoje o espanhol foi destituído pela federação.

A dois dias estreia frente a Portugal, num grupo que conta ainda com o Irão de Carlos Queiroz e Marrocos, o jornalista entende que "a experiência dos jogadores vai ser a chave do desempenho da Espanha".

"A base dos jogadores é do Real Madrid e do FC Barcelona. São muito experientes, passaram por muitos problemas nas suas equipas. No jogo devem mostrar qualidade, a sua veterania e personalidade. Oxalá pensem assim, ou podemos fazer o ridículo", assumiu.

Luis Mora acha que esta foi uma "contratação de urgência" - "não tem o currículo de Ancelotti ou Mourinho e nunca ganhou nada em clubes" - a federação fez o que devia: "Se há um selecionador que não pensa na Espanha a 100 por cento, para é que o queremos?".

O repórter considerou ainda que a chegada de Lopetegui pode ser "boa para Cristiano Ronaldo, uma vez que ambos são representados pelo mesmo agente, Jorge Mendes".

"Certamente que já lhe ligou a falar sobre isso. Face à amizade, talvez lhe diga que continue e que vai correr tudo bem", completou.

Já Alejandro Rodriguez defende que "este não podia ser o pior momento" para esta situação, considerando que o maior problema foi mesmo a "comunicação".

"O Real Madrid fez o que tinha a fazer, contratar um treinador. Agora este divórcio, depois anos de um projeto que está prestes a culminar, é incrível", lamentou.

O jornalista da televisão Media 7 fala em "surpresa absoluta" mas adverte que "falar de traição ou uma coisa gravíssima é um exagero".

"É uma surpresa absoluta e verdadeiramente inoportuno, mas é normal um técnico pensar num clube após o Mundial. O Real Madrid. A federação teve um discurso moral justo. Se o líder não respeita a seleção e a equipa nacional, então este divórcio era a única saída", completou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.