Jornalistas espanhóis que acompanham Portugal incrédulos com caso Lopetegui

"Assombro total. Uma bomba que caiu na seleção e que era inimaginável", disse um jornalista da TVE

Jornalistas espanhóis que acompanham a seleção portuguesa de futebol no Mundial2018 revelaram-se hoje incrédulos com os acontecimentos da equipa espanhola, que levaram à destituição de Julen Lopetegui a dois dias do jogo com Portugal.

"Assombro total. Uma bomba que caiu na seleção e que era inimaginável, anda para mais com a trajetória da seleção que era só sucesso desde que Lopetegui pegou na 'roja'. Um incómodo. Deixar a seleção a 48 horas de começar o mundial é inaudito", disse à Lusa Alejandro Rodriguez, repórter da televisão nacional TVE.

Luis Mora, da rádio Cadena Ser, manifestava a mesma estupefação, dizendo que "é incrível" o que aconteceu. "A dois dias de começar o mundial? Primeiro a notícia da contratação de Lopetegui pelo Real Madrid e agora a sua destituição. As pessoas ficam perturbadas. Isto não parece sério", disse.

Na terça-feira o Real Madrid anunciou Julen Lopetegui, treinador do FC Porto entre 2014 e 2016, sem qualquer troféu, como substituto do tricampeão europeu Zinedine Zidane, e hoje o espanhol foi destituído pela federação.

A dois dias estreia frente a Portugal, num grupo que conta ainda com o Irão de Carlos Queiroz e Marrocos, o jornalista entende que "a experiência dos jogadores vai ser a chave do desempenho da Espanha".

"A base dos jogadores é do Real Madrid e do FC Barcelona. São muito experientes, passaram por muitos problemas nas suas equipas. No jogo devem mostrar qualidade, a sua veterania e personalidade. Oxalá pensem assim, ou podemos fazer o ridículo", assumiu.

Luis Mora acha que esta foi uma "contratação de urgência" - "não tem o currículo de Ancelotti ou Mourinho e nunca ganhou nada em clubes" - a federação fez o que devia: "Se há um selecionador que não pensa na Espanha a 100 por cento, para é que o queremos?".

O repórter considerou ainda que a chegada de Lopetegui pode ser "boa para Cristiano Ronaldo, uma vez que ambos são representados pelo mesmo agente, Jorge Mendes".

"Certamente que já lhe ligou a falar sobre isso. Face à amizade, talvez lhe diga que continue e que vai correr tudo bem", completou.

Já Alejandro Rodriguez defende que "este não podia ser o pior momento" para esta situação, considerando que o maior problema foi mesmo a "comunicação".

"O Real Madrid fez o que tinha a fazer, contratar um treinador. Agora este divórcio, depois anos de um projeto que está prestes a culminar, é incrível", lamentou.

O jornalista da televisão Media 7 fala em "surpresa absoluta" mas adverte que "falar de traição ou uma coisa gravíssima é um exagero".

"É uma surpresa absoluta e verdadeiramente inoportuno, mas é normal um técnico pensar num clube após o Mundial. O Real Madrid. A federação teve um discurso moral justo. Se o líder não respeita a seleção e a equipa nacional, então este divórcio era a única saída", completou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.