Bruno Alves garante que nunca vai abdicar de Portugal

Aos 34 anos e após 87 internacionalizações, Bruno Alves garante que não planeia abdicar da seleção e está pronto para render Pepe

O defesa Bruno Alves afirmou hoje que está preparado para render Pepe no 'onze' titular da seleção portuguesa de futebol frente à Letónia, em jogo de qualificação para o Mundial2018, e assumiu o favoritismo da formação lusa.

"Estou sempre preparado para jogar e também para não jogar. A qualidade dos jogadores da seleção é grande e qualquer um pode assumir esse papel. Estou num bom momento", afirmou Bruno Alves em conferência de imprensa, minutos antes de mais um treino de Portugal na Cidade do Futebol, em Oeiras.

O central do Cagliari considerou que Pepe é um dos "melhores defesas do mundo", mas lembrou que a seleção nacional tem outros jogadores de qualidade que podem render com sucesso o defesa do Real Madrid.

"O Pepe faz sempre falta a qualquer equipa. Já demonstrou várias vezes nos últimos anos a sua qualidade. É uma personalidade importante na seleção, mas há outros jogadores que podem fazer esse papel. Temos qualidade para fazer um bom trabalho e vencer", disse.

Sobre o duelo com a Letónia, Bruno Alves foi claro em assumir o favoritismo da seleção portuguesa, apesar de no "futebol moderno já não existirem jogos fáceis".

"Como sempre esse favoritismo tem que ser demonstrado dentro de campo. Queremos vencer e demonstrar bom futebol. Hoje em dia, todas as equipas preparam bem os jogos e estudam muito bem os adversários", referiu.

Com 34 anos de idade e 87 jogos com a camisola da seleção principal, o antigo jogador do FC Porto revelou que espera continuar a representar Portugal no futuro e que não pensa em abandonar a carreira internacional.

"É sempre um orgulho grande estar presente na seleção e poder contribuir. São 10 anos disto e sinto-me um privilegiado. Sempre que me quiserem, aqui estarei. Sinto-me bem nesta casa e com esta família", confessou.

Depois de passagens pelo futebol russo e turco, Bruno Alves está a viver a sua primeira temporada na Serie A, ao serviço do Cagliari, e até agora é totalista em jogos do campeonato no centro do defesa do emblema italiano.

"Estou feliz em Itália, está a ser uma boa experiência para mim. Estou a aprender o que é sempre importante", disse.

O Portugal-Letónia está agendado para domingo, às 19:45, no Estádio Algarve, e terá arbitragem do escocês Bobby Madden.

A comitiva lusa viaja para o Algarve na sexta-feira à tarde e no dia seguinte deverá efetuar um treino no recinto que vai receber o encontro da quarta jornada do Grupo B.

A seleção nacional, atual campeã da Europa, ocupa o segundo lugar do agrupamento com seis pontos, menos três do que a Suíça, que lidera. A formação letã é quinta e antepenúltima com apenas três pontos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.