Mário Rui: "Estar aqui já é um grande orgulho"

Lateral esquerdo Nápoles, em estreia nos convocados de Fernando Santos, falou esta quarta-feira em conferência de imprensa sobre a estreia no grupo de trabalho da seleção nacional AA

"Neste momento estou mais calmo. O nervosismo foi há dois dias, quando recebi a chamada", começou por contar Mário Rui, 26 anos, acerca da estreia nos convocados da seleção nacional, em conferência de imprensa realizada esta quarta-feira na Cidade do Futebol, em Oeiras. "É normal que naquele momento me passassem muitas coisas pela cabeça porque era a primeira vez que era chamado e não estava à espera naquele momento, mas foi um sentimento grande de felicidade", acrescentou.

O lateral esquerdo, que tem sido titular nos italianos do Nápoles, disse que sempre teve a esperança de estar entre os eleitos de Fernando Santos, e sonha agora com o Mundial, embora a tarefa não se adivinhe fácil. "Sabia que ia ser difícil e será ainda muito difícil [ser chamado para o Mundial 2018]. Ainda falta muito tempo, mas estar aqui é já um grande orgulho", salientou, "muito contente por ter sido chamado, até porque falta muito pouco tempo" para a fase final.

O defesa natural de Sines revelou que a experiência "tem sido muito positiva". "Não esperava ser assim tão bem recebido. Praticamente toda a gente me deu as boas vindas", frisou, contando os conselhos dados pelos companheiros: "Disseram-me para estar muito tranquilo, aproveitar a oportunidade e, acima de tudo, divertir-me. É o que tenho feito e espero continuar a integrar-me da melhor maneira."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.