José Fonte: "Há rivalidade muito grande com Espanha. É como um dérbi"

Central internacional português que atua no West Ham comentou o sorteio do Mundial 2018, realizado esta sexta-feira, em declarações à cadeia britânica BBC

"Há uma rivalidade muito grande com Espanha. É como um dérbi. Vai ser emocionante e todos temos que estar preparados. Estamos ansiosos de que comece o Mundial", afirmou José Fonte, que atua nos ingleses do West Ham, à cadeia televisiva britânica BBC.

O defesa internacional português considera que o primeiro jogo, neste caso o duelo com Espanha, é "muito importante". "É sempre complicado começar num torneio. Espero que possamos apresentar-nos em boa forma e conseguir um bom resultado para chegar com possibilidades aos restantes encontros", declarou.

José Fonte assumiu ainda que Portugal é favorito à passagem aos oitavos de final, mas com cautelas. "Somos os vigentes campeões europeus e chegamos com ambição, mas sabemos que devemos ir jogo a jogo, tal como fizemos no Campeonato da Europa no ano passado. Esperamos classificar-nos para a ronda seguinte e estamos confiantes, ainda que sempre com os pés assentes no chão", frisou.

"Para o espetador é um grande grupo. Temos um primeiro jogo muito emocionante frente a Espanha, e logo a seguir Marrocos, que joga muito bem e fez uma fase de qualificação muito boa, e Irão, que é orientado por um treinador português, Carlos Queiroz. Vai ser muito interessante", rematou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.