Fernando Santos viu coisas positivas e negativas em Leiria

O selecionador nacional lamentou o facto de os jogadores portugueses terem pensado lento

Fernando Santos, selecionado nacional, considerou que "houve coisas mais positivas e outras menos positivas" no empate 1-1 com os Estados Unidos, esta terça-feira em Leiria.

"Negativo foi não termos capacidade de ter a bola, pensámos lento. Na primeira parte não conseguimos ter a bola e jogámos um pouco à pressa. A circulação de bola não foi boa, sofremos um golo, tivemos felicidade no que marcámos. Na segunda parte melhorámos, mas não tivemos a fluidez habitual. Tivemos uma bola no poste mais duas ou três oportunidades. Foi um jogo que nunca dominámos, apesar de termos mais bola", explicou o técnico nacional.

O selecionador não fechou entretanto as portas a ninguém para o Mundial 2018. "Se estiveram aqui é porque acredito que podem fazer parte. Caso contrário, não estavam aqui. É normal que alguns fiquem de fora. Temos pouco tempo de trabalho na seleção e isso obriga o selecionador a ter um grupo mais coeso, que trabalha junto há mais tempo. Nos clubes, dizem que as equipas precisam de um, dois meses para se entrosarem. Nós trabalhamos uma vez por mês e querem que corra tudo bem? O que importa é que os jogadores trabalharam. Algumas coisas não correram bem, mas isso faz parte", sublinhou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.