Fernando Santos: "Ronaldo é isto, é golo"

Selecionador nacional elogiou a "determinação" da equipa, "que nunca aceita perder", após a vitória sobre o Egito (2-1).

"O Cristiano Ronaldo é isto, é golo": foi de forma simples que o selecionador nacional, Fernando Santos, comentou o caráter decisivo do capitão de Portugal, na vitória desta sexta-feira sobre o Egito (2-1), em jogo de preparação para o Mundial 2018. CR7 bisou nos descontos, permitindo a reviravolta da "equipa das quinas". E técnico luso destacou-o, no final da entrevista rápida à RTP, após a partida.

Antes já Fernando Santos elogiara "a vontade e a determinação" da equipa, "que nunca aceita perder". Nos últimos minutos, Portugal acercou-se da área do Egito e conseguiu evitar a derrota, que parecia iminente. " equipa subiu no terreno e nos últimos 10 minutos criámos quatro oportunidades de golo. Fizemos dois golos. Esta equipa é assim, quer sempre vencer", notou o selecionador.

No entanto, o treinador lamentou algumas falhas no ataque da seleção nacional - principalmente na primeira parte. "Foi uma primeira parte onde Portugal foi claramente melhor, mas faltou algum de jogo interior, essencialmente. O João [Mário] e o Bernardo [Silva] estiveram demasiado agarrados às linhas, e aquilo que tínhamos planeado era que, sempre que houvessem movimentos interiores do Cristiano [Ronaldo] e do André [Silva], o João e o Bernardo fizessem tabelinhas. Não conseguimos. Devíamos ter criado mais oportunidades de golo", descreveu.

Na segunda parte, após o golo de Salah - "pareceu-me ter faltado alguma agressividade defensiva", lamentou Fernando Santos -, Portugal fraquejou. "Estivemos mal, francamente mal, naqueles 15 minutos seguintes", apontou o técnico. No entanto, a reação final ainda foi a tempo de evitar a derrota, com dois golos de CR7. Afinal, "Ronaldo é isto".

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.