Fernando Santos: "Ronaldo é isto, é golo"

Selecionador nacional elogiou a "determinação" da equipa, "que nunca aceita perder", após a vitória sobre o Egito (2-1).

"O Cristiano Ronaldo é isto, é golo": foi de forma simples que o selecionador nacional, Fernando Santos, comentou o caráter decisivo do capitão de Portugal, na vitória desta sexta-feira sobre o Egito (2-1), em jogo de preparação para o Mundial 2018. CR7 bisou nos descontos, permitindo a reviravolta da "equipa das quinas". E técnico luso destacou-o, no final da entrevista rápida à RTP, após a partida.

Antes já Fernando Santos elogiara "a vontade e a determinação" da equipa, "que nunca aceita perder". Nos últimos minutos, Portugal acercou-se da área do Egito e conseguiu evitar a derrota, que parecia iminente. " equipa subiu no terreno e nos últimos 10 minutos criámos quatro oportunidades de golo. Fizemos dois golos. Esta equipa é assim, quer sempre vencer", notou o selecionador.

No entanto, o treinador lamentou algumas falhas no ataque da seleção nacional - principalmente na primeira parte. "Foi uma primeira parte onde Portugal foi claramente melhor, mas faltou algum de jogo interior, essencialmente. O João [Mário] e o Bernardo [Silva] estiveram demasiado agarrados às linhas, e aquilo que tínhamos planeado era que, sempre que houvessem movimentos interiores do Cristiano [Ronaldo] e do André [Silva], o João e o Bernardo fizessem tabelinhas. Não conseguimos. Devíamos ter criado mais oportunidades de golo", descreveu.

Na segunda parte, após o golo de Salah - "pareceu-me ter faltado alguma agressividade defensiva", lamentou Fernando Santos -, Portugal fraquejou. "Estivemos mal, francamente mal, naqueles 15 minutos seguintes", apontou o técnico. No entanto, a reação final ainda foi a tempo de evitar a derrota, com dois golos de CR7. Afinal, "Ronaldo é isto".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.