Fernando Gomes elogia criação da Liga das Nações

A UEFA aprovou esta quinta-feira em Congresso, por unanimidade das 54 federações filiadas, a criação de uma Liga das Nações, que, de acordo com o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) poderá potenciar o retorno financeiro.

"O modelo foi aprovado pelo Congresso da UEFA, por unanimidade. Nos períodos alternativos às fases de qualificação irá ser disputada uma nova competição designada de Liga das Nações", revelou Fernando Gomes, que participou no Congresso da UEFA que decorreu em Astana, capital do Cazaquistão.

Em declarações ao site da FPF, o dirigente adiantou que "as seleções vão ser selecionadas através do 'ranking' e esta competição terá, provavelmente, um título".

"Acreditamos que irá potenciar ainda mais o retorno dos valores dos direitos já centralizados na UEFA. Este formato vai ser desenvolvido nos próximos tempos a fim de definir o modelo competitivo não só da Liga das Nações, mas, eventualmente, alguma interligação entre essa competição e as fases de apuramento do Europeu de 2020 e do Mundial de 2022", referiu.

Fernando Gomes recordou que a UEFA iniciou no ciclo 2014/18 um processo de centralização de direitos das fases de qualificação quer para o Europeu quer para o Mundial, cuja comercialização "foi um sucesso", o que, a par dos pedidos crescentes de vários países para serem encontradas alternativas à realização de jogos amigáveis, levou aquele organismo "a avançar com um estudo para reforçar essa centralização e resolver o problema dos jogos amigáveis".

Ainda não está definido o modo de funcionamento da nova competição, em formato de liga, mas a ideia é dividir as 54 seleções em quatro grupos, as quais competirão com o objetivo de serem promovidas a um grupo final, onde disputarão o título de campeão da Liga das Nações, mas, também, a qualificação para os "play-off" de acesso a fases finais de Campeonatos da Europa.

A UEFA vai determinar um campeão da Liga da Nações em todos os anos ímpares, a partir de 2018, mas o organismo irá, ainda, detalhar em concreto como vai decorrer a competição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.