Fernando Gomes elogia criação da Liga das Nações

A UEFA aprovou esta quinta-feira em Congresso, por unanimidade das 54 federações filiadas, a criação de uma Liga das Nações, que, de acordo com o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) poderá potenciar o retorno financeiro.

"O modelo foi aprovado pelo Congresso da UEFA, por unanimidade. Nos períodos alternativos às fases de qualificação irá ser disputada uma nova competição designada de Liga das Nações", revelou Fernando Gomes, que participou no Congresso da UEFA que decorreu em Astana, capital do Cazaquistão.

Em declarações ao site da FPF, o dirigente adiantou que "as seleções vão ser selecionadas através do 'ranking' e esta competição terá, provavelmente, um título".

"Acreditamos que irá potenciar ainda mais o retorno dos valores dos direitos já centralizados na UEFA. Este formato vai ser desenvolvido nos próximos tempos a fim de definir o modelo competitivo não só da Liga das Nações, mas, eventualmente, alguma interligação entre essa competição e as fases de apuramento do Europeu de 2020 e do Mundial de 2022", referiu.

Fernando Gomes recordou que a UEFA iniciou no ciclo 2014/18 um processo de centralização de direitos das fases de qualificação quer para o Europeu quer para o Mundial, cuja comercialização "foi um sucesso", o que, a par dos pedidos crescentes de vários países para serem encontradas alternativas à realização de jogos amigáveis, levou aquele organismo "a avançar com um estudo para reforçar essa centralização e resolver o problema dos jogos amigáveis".

Ainda não está definido o modo de funcionamento da nova competição, em formato de liga, mas a ideia é dividir as 54 seleções em quatro grupos, as quais competirão com o objetivo de serem promovidas a um grupo final, onde disputarão o título de campeão da Liga das Nações, mas, também, a qualificação para os "play-off" de acesso a fases finais de Campeonatos da Europa.

A UEFA vai determinar um campeão da Liga da Nações em todos os anos ímpares, a partir de 2018, mas o organismo irá, ainda, detalhar em concreto como vai decorrer a competição.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?