Rui Jorge dispensa calculadora e só quer vencer a Macedónia

O selecionador português de futebol de sub-21 diz que já desistiu de fazer as contas que Portugal precisa para atingir as meias-finais do Europeu

Com demasiados cenários em cima da mesa para que a equipa lusa possa se qualificiar para a fase seguinte deste Euro2017 como melhor segunda classificada dos três grupos, Rui Jorge aponta apenas um caminho para o jogo frente aos macedónios.

"O nosso primeiro objetivo é vencer. A calculadora está um pouco de parte, vamos para este jogo para ganhar, e, depois, pela forma como o jogo esteja a correr, veremos o que pode acontecer", disse Rui Jorge.

Na antevisão a este decisivo encontro, Rui Jorge revelou que a maior parte da comitiva nacional "já pegou algumas vezes na calculadora", mas que a maior parte "já desistiu", pois, das 12 equipas em prova, 10 ainda têm o seu futuro indefinido.

"É inevitável fazer contas para a preparação estratégica do jogo, de forma a perceber o resultado que necessitamos. Mas é algo que não controlamos, e percebemos que não há um resultado que seja o certo, porque há sempre alguém que vai jogar depois de nós", analisou.

Ainda assim, e apontando a vitória como objetivo único, o selecionador nacional alerta que há uma avaliação a fazer sobre o risco a correr para apontar o maior número de golos, fator importante nos critérios de desempate com outros adversários.

"Há também uma questão estratégica, pois, para fazer muitos golos, há riscos a correr, e isso ainda não é calculável para o treinador", alertou.

Rui Jorge quer, sobretudo, uma equipa que mostre qualidade, considerando que o resultado a conseguir será uma consequência da "luta, alma e entrega que os jogadores vão colocar em campo".

A derrota no último jogo frente à Espanha [3-1], que interrompeu uma série de 31 partidas oficiais sem perder dos sub-21 portuguesa, não fez, segundo Rui Jorge, mossa no grupo.

"Não sinto diferença após essa derrota. Foi um resultado que pesa sempre, sobretudo numa equipa que não está habituada a perder, mas há que seguir em frente e sinto que o grupo já o fez", referiu.

Essa afirmação foi confirmada por Ricardo Horta, médio que hoje também participou na conferência de imprensa de antevisão ao decisivo jogo com a Macedónia, da terceira e última ronda do grupo B deste Euro2017.

"A equipa está tranquila, sabemos o que temos de fazer para poder vencer e passar como melhor segundo, e isso vai-se notar em campo", assegurou o jogador dos quadros do Sporting de Braga.

O médio revelou que também os jogadores já fizeram algumas contas no que toca à matemática que Portugal precisa para seguir em frente na competição, e que chegou a uma conclusão.

"Temos de estar concentrados no nosso jogo, sabemos que se não vencermos não vamos alcançar o objetivo e acho que o principal é focar no nosso trabalho e no final fazermos as contas", partilhou.

Certo, segundo Ricardo Horta, é que o grupo espera "uma Macedónia forte, com bons jogadores", que vai exigir com que Portugal se "apresente ao melhor nível".

"Estou muito otimista, tento sempre pensar o que pode acontecer de bom, e tanto eu como a equipa queremos ganhar e mostrar qualidade para continuar neste campeonato da Europa", rematou.

Portugal defronta esta sexta-feira a Macedónia, na terceira e última jornada do grupo B do Campeonato da Europa de sub-21, que se realiza na Polónia, uma partida em que apenas o triunfo poderá fazer a formação lusa ainda sonhar com o apuramento para as meias-finais da prova.

A partida está agendada para as 20:45 locais (19:45 em Lisboa), no estádio da cidade de Gdynia, e terá arbitragem do eslovaco Ivan Kruzliak.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".