Cristiano Ronaldo "merece" ganhar prémio de melhor do mundo

"Ganhou as competições mais importantes", lembra Nani sobre o capitão da seleção

O extremo Nani defendeu hoje que seria justo Cristiano Ronaldo vencer o prémio de melhor futebolista do ano da FIFA, já que foi o jogador que mais se destacou no ano de 2016.

"Ganha sempre que tem melhores estatísticas. O Cristiano ganhou as competições mais importantes, a Liga dos Campeões e o Europeu, e fez uma excelente campanha no campeonato. É merecido e justo", afirmou Nani

O jogador do Valência falava em conferência de imprensa na Cidade do Futebol, em Oeiras, minutos antes de Portugal realizar o primeiro treino de preparação para o jogo a Letónia, da quarta jornada do grupo B de apuramento para o próximo Campeonato do Mundo, que se vai realizar na Rússia.

Ronaldo venceu o prémio para melhor jogador da FIFA em 2008, em 2013 e 2014, os dois últimos quando o galardão estava associado à Bola de Ouro.

Nani abordou também a integração do selecionador Fernando Santos na lista de candidatos ao prémio de treinador do ano da FIFA, considerando que essa nomeação prova que o treinador de 62 anos "está ao nível dos melhores do mundo", e a colocação de Rui Patrício na lista para a Bola de Ouro, galardão da France Football.

"O Rui fez um excelente campeonato no Sporting e demonstrou no europeu que é um dos melhores do mundo. Fico orgulhoso por isso", referiu o extremo formado no Sporting.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.