Ataque de pólvora seca relança debate sobre falta de avançados

Rui Águas não vê "ninguém que reúna consenso" para colmatar a lacuna. Bruno Moreira sonha ainda com uma chamada

O nulo do ataque português no particular frente à Bulgária, na sexta-feira, reacendeu o debate: faltam pontas-de-lança à seleção? O Europeu de França está aí à porta e o ataque nacional parece continuar órfão de um "9" que possa funcionar como referência de área e marcar os golos que têm escasseado durante a era Fernando Santos. A aposta num esquema tático com dois avançados mais móveis foi suficiente para carimbar a qualificação com um percurso quase imaculado, mas fará falta um "matador" para dar outra expressão ao sonho de vencer a prova?

Desde que Fernando Santos assumiu o comando técnico da seleção, o saldo é de apenas 16 golos apontados em 15 partidas. A média sobe se contabilizarmos somente os sete jogos oficiais disputados sob a sua orientação, nos quais Portugal festejou por 11 vezes. A equipa das quinas venceu todos esses embates, é verdade, mas sempre pela margem mínima.

Entre os autores desses 16 golos constam apenas os nomes de dois avançados. O inevitável Cristiano Ronaldo foi responsável por cinco. O outro pertenceu a Éder, que marcou o seu único golo em 22 internacionalizações num jogo particular frente à Itália. Aliás, o ex-atacante do Sp. Braga, que o Swansea emprestou aos franceses do Lille durante a segunda metade desta época, tem sido o único ponta-de-lança de raiz a marcar presença regular nas listas de Fernando Santos.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.