"A seleção búlgara de 92 daria luta a este Portugal de Ronaldo"

Kostadinov, ex-jogador do FC Porto, dá o favoritismo a Portugal para amanhã e diz que faltam referências à seleção do seu país

Já não há craques como Mihaylov, Ivanov, Balakov, Penev ou Emil Kostadinov. Faltam atualmente à Bulgária (defronta amanhã Portugal num particular em Leiria) referências, diz ao DN Emil Kostadinov, avançado que brilhou no FC Porto e que participou no último jogo entre as duas seleções, em 1992, também num particular, mas realizado em França. A diferença de valor atual é grande, mas nem sempre foi assim. Aliás, nos 12 jogos entre as duas equipas, Portugal venceu quatro, perdeu cinco e empatou três.

"Agora é complicado encontrar uma referência do futebol búlgaro e na altura tínhamos muitas, era uma equipa recheada de talento, mas também com jogadores que corriam os 90 minutos. Nesse ano, apesar da derrota [2-1, num particular realizado em França], não podemos dizer que Portugal era favorito. Mas agora não há dúvidas de que são muito mais fortes. A seleção de 1992 daria muita luta a este Portugal de Ronaldo. Vão fazer de tudo para vencer, mas será complicado, até porque jogam em Portugal", referiu o ex-avançado do FC Porto.

"Se eu daria jeito? Agora estou velho, custa-me correr", atirou Kostadinov, atualmente diretor desportivo do CSKA de Sofia, elogiando alguns jogadores portugueses dessa geração. "Vítor Baía, Jorge Costa, Peixe, Paneira, Figo, eram tantos. Portugal também tinha um grupo muito forte. Não foi por acaso que também nos conseguiram vencer. Quem marcou o nosso golo, Balakov? Claro, fantástico jogador. De vez em quando ainda nos rimos a falar do nosso passado em Portugal", assinalou o ex-jogador, destacando a importância de Cristiano Ronaldo na equipa nacional. "Portugal tem grandes jogadores, mas tenho de falar primeiro de Ronaldo. É um monstro no ataque. Eu, como fui avançado, tenho de destacar os muitos golos que marca, mas também a garra em todos os jogos. É louco por golos, as pessoas podem não gostar muito do feitio dele, mas a verdade é que dentro de campo é intratável, ninguém pode dizer que ele não faz de tudo para que a sua equipa vença", referiu.

Kostadinov abordou ainda as possibilidade de Portugal no Euro 2016. A exemplo do selecionador Fernando Santos, também acredita que a seleção tem hipóteses. "Há equipas mais experientes e também com grandes jogadores, mas este tipo de torneios são ganhos por quem está melhor em duas ou três semanas, não é um campeonato de regularidade, onde precisas de ter um plantel equilibrado de 20 jogadores. Se tudo correr bem a Portugal e tendo a vantagem de contar com Ronaldo, é claro que têm de ser considerados um dos favoritos", afirmou o búlgaro de 48 anos.

Não esquece o FC Porto

Apesar de não acompanhar muito de perto a carreira do FC Porto, onde jogou entre 1990 e 1994, o antigo goleador vai-se mantendo informado. "Infelizmente os jogos de Portugal não passam na Bulgária. Costumo ver resumos e os jogos das competições europeias. Sei que nos últimos anos tem sido o Benfica a dominar, mas o FC Porto ganhou a Liga Europa em 2012. Nesse jogo estava dividido. Do outro lado estava o meu amigo Domingos (então treinador do Sp. Braga), mas é claro que gosto sempre que o FC Porto ganhe", disse, perguntando depois como estava a liga portuguesa este ano. "Seis pontos para o Benfica? Ainda tudo é possível, faltam muitos pontos. O FC Porto nunca desiste, disso eu sei. Tínhamos sempre o presidente Pinto da Costa à perna e agora deve ser igual. Desejo-lhes sorte, são um dos clubes que trago sempre no pensamento e no coração", recordou.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.