Humberto Coelho nega contactos para naturalizar Matheus Pereira

O vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Humberto Coelho, negou esta quarta-feira que a federação tenha exercido qualquer tipo de pressão para a naturalização de Matheus Pereira, jogador do Sporting.

"Nós só sondamos os portugueses. A federação não tem como objetivo nacionalizar jogadores. Queremos chamar jogadores portugueses à seleção. Todos os que são portugueses, caso os selecionadores assim o entendam, podem ser chamados" afirmou agora dirigente à margem de Gala da Confederação do Desporto de Portugal, a decorrer no Casino Estoril.

Confrontado com exemplos do passado, como Deco, Pepe ou Liedson, que acabaram por desempenhar papéis de relevo nas equipas portuguesas (Pepe ainda hoje é um dos indiscutíveis de selecionador Fernando Santos), o antigo defesa não fechou as portas ao avançado brasileiro dos leões, de 19 anos, mas diz que esta direção nunca exerceu qualquer tipo pressão no sentido de serem feitas naturalizações. "Nesta direção nunca nada foi feito no sentido de naturalizar jogadores. Não quero dizer que não vem, mas neste momento nada foi feito por nós para que isso aconteça. Na nossa cabeça continuamos a só pensar nos jogadores portugueses", disse.

Depois de ter feito toda a formação nas camadas jovens no clube de Alvalade, Matheus Pereira tem sido uma das alternativas de Jorge Jesus para o ataque do Sporting, tendo pela equipa principal participado em cinco jogos, nos quais apontou quatro golos. Pela equipa B, marcou por três vezes em sete partidas.

Na mesma ocasião, o dirigente elogiou Ruben Neves, recentemente chamado à seleção A. "O Ruben Neves já é uma certeza, porque já joga regularmente na primeira equipa. Teve uma evolução muito grande e penso que é um valor que espelha bem o aproveitamento do bom trabalho que é feito nos clubes", apontou Humberto Coelho, destacando ainda os casos dos jovens João Mário e Gonçalo Guedes, que, a par do médio portista, são já opções na equipa principal de Portugal,

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.