A boa dor de cabeça de Fernando Santos:Ter 11/12 médios e escolher 6/7

Selecionador nacional foi entrevistado por Henrique Calisto, no 5.º Fórum de Treinadores.

Fernando Santos admitiu que nunca sequer pensou em ser selecionador. "Não há fórmula, é preciso ter convites. Também fui despedido pelo menos três vezes!", explicou o técnico nacional esta segunda feira, em Setúbal, no 5.º Fórum de Treinadores da Associação Nacional de Treinadores de Futebol.

"O selecionador só é treinador num jogo, quase não há treinos", disse em resposta ao desafio de Henrique Calisto, que orientou a entrevista no fórum, acrescentando: "da primeira vez, ao fim de dois dias, pensei que aquilo ia dar barraca. Passado um mês resolvi que era tudo ao contrário."

Para Fernando Santos "um grupo forte não tem de ser fechado", sublinhou, confessando que Jimmy Hagan "o influenciou muito", bem como Manuel de Oliveira.

A preparação para o EURO2016 começa esta segunda-feira e fez parte da conversa."O estágio é longo, temos de ver como vamos gerir. Cerca de 50 dias juntos, são muitos dias, dias a mais, mas que por outro lado, necessários. Temos de encontrar forma para libertarmos os jogadores da pressão e estarem motivados. É a questão central", disse Fernando Santos, considerando "importante saber quem é capaz de entrar no grupo e aguentar esta pressão, e de levar um país às costas", disse o selecionador.

Por isso o desafio será "procurar equilibrar a equipa nos sectores, entre sectores e em cada sector". Partindo de um Plano A, de forma de jogar e poder alterar em competição: Temos de ver quem nos vai dar soluções diferentes. São boas dores de cabeça. No meio-campo, por exemplo, agora há 11 ou 12 jogadores bons. Porque não podem ser todos convocados? Terei de escolher só seis ou sete..."

Fernando Santos foi depois questionado sobre que aspetos físicos podem impossibilitar um jogador de ser chamado ao EURO2016. "Se estiver impossibilitado fisicamente, fica de fora. Depois de 30 de maio é proibido trocar jogadores, portanto se estiver fisicamente mal ou em risco, não vou chamá-lo (...) Agora se estiver em melhor ou pior forma... nessa fase não vai haver ninguém em excelente forma", atirou.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.