"Se puder escolher um torneio para ganhar... escolho o Estoril Open"

A poucas horas de iniciar a temporada no Open da Austrália, o melhor tenista português de sempre, revela ao DN as suas expetativas para 2018, faz uma confissão e revela os nomes da nova geração do ténis mundial

João Sousa está a poucas horas de entrar em ação no Open da Austrália (5.30 de segunda-feira). Enquanto ultimava os derradeiros pormenores da sua estreia, o vimaranense falou com o DN.pt sobre o que o espera para 2018 e as suas principais ambições.

Como preparou a época 2018? Mudou alguma coisa, relativamente às anteriores?
Este ano fizemos uma semana em Tenerife com o Dominic Thiem, Dusan Lajovic, entre outros, para aproveitar o bom tempo, excelentes instalações e infraestruturas de apoio e novos métodos de treino. Depois fiz duas semanas em Barcelona a aperfeiçoar questões técnicas com o meu treinador Frederico Marques e a treinar com diferentes jogadores do top 100.

A entrada em Brisbane foi boa e depois do jogo com Donald Young disse estar contente com a forma como jogou, agressivo e bom no capítulo do serviço É essa a imagem do João Sousa que vamos ver em 2018?
Sim, é assim que me sinto bem e para isso que temos vindo a trabalhar e vamos continuar.

Que expetativas para este ano. Vamos ter o melhor João Sousa de volta? Algum objetivo pessoal em termos de ranking?
Expetativas são as de sempre: dar o máximo em cada treino e encontro, apresentar um bom nível de ténis, aperfeiçoar pequenas questões técnicas e subir no ranking o máximo possível.

Em 2016 repetiu o melhor desempenho no Australian Open. Este ano é possível fazer história e passar da terceira ronda num Grand Slam pela primeira vez?
Só posso garantir que vou dar tudo dentro do campo para conseguir o melhor resultado. Como sempre.

Como lida com as expectativas dos adeptos e dos portugueses em geral, que esperam voltar a ver o João vencer um torneio ATP?
É para isso que trabalho todos os dias. Ninguém mais do que eu quer que isso volte a acontecer.

Com Murray de fora e Djokovic e Wawrinka longe da melhor forma, haverá alguém capaz de desafiar Nadal e Federer na Austrália?O
O nível entre os jogadores de topo é muito equilibrado. Basta um mau dia para serem eliminados. Tudo pode acontecer.

Quem da nova geração os pode ameaçar, na sua opinião?
O Kyrgios, o Zverev e o Thiem estão a apresentar um excelente ténis. Nunca se sabe.

Se pudesse escolher um torneio para vencer em 2018. Qual seria e porquê?
Seria o Estoril Open. Seria óptimo poder vencer em casa diante do meu público e dos meus fãs.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG