Se não o deixam levar o filho Adam LaRoche não joga

Jogador tinha cláusula que permitia ter Drake sempre por perto. Agora, os White Sox queriam proibir isso e LaRoche retirou-se

A maioria dos jogadores de basebol passam mais de metade do ano em hotéis e cidades diferentes. Por isso, Adam LaRoche, jogador da Major League Baseball norte-americana, tomou há vários anos uma decisão: para ser um pai presente, o seu filho Drake iria acompanhá-lo diariamente, para treinos e jogos. E assim foi... até à semana passada, quando os Chicago White Sox lhe pediram para começar a deixar Drake, de 14 anos, em casa. O batedor assim o fez, mas também lá ficou e resolveu antecipar a reforma, aos 36 anos, abrindo mão de 12 milhões de euros do seu último ano de contrato.

A história de Adam LaRoche e do seu filho é bem conhecida no mundo do basebol norte-americano. O jogador preferiu contratar um tutor privado para dar aulas a Drake e assim poder tê-lo consigo praticamente todo o dia - a mulher e a outra filha do casal vivem em permanência na Florida e a família só está junta durante o inverno, nas férias do jogador. A educação que LaRoche escolheu para o filho Drake é igual àquela que ele próprio teve em criança, por opção do pai, Dave LaRoche, também um antigo jogador de basebol.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG