Ronaldo. Da conversa acalorada à união inquebrável

Capitão ameaçou abandonar? Federação desmentiu, Ronaldo apelou à união do grupo e Otávio não ouviu qualquer discussão.

"Um grupo demasiado unido para ser quebrado por forças externas. Uma nação demasiado corajosa para se deixar atemorizar perante qualquer adversário. Uma equipa no verdadeiro sentido da palavra, que vai lutar pelo sonho até ao fim! Acreditem connosco! Força, Portugal!" Foi com esta a mensagem que Cristiano Ronaldo respondeu na rede social Instagram à notícia da suposta ameaça de abandono da seleção em pleno Mundial.

Já depois da Federação Portuguesa de Futebol ter desmentido a notícia do jornal Record, sobre a alegada ameaça de CR7 de abandonar a seleção, após saber que Fernando Santos o ia colocar no banco no jogo com a Suíça (Portugal ganhou 6-1 e apurou-se para os quartos-de-final), o jogador recorreu às redes sociais para dar um sinal de união, sem nunca desmentir a notícia. E, segundo soube o DN, a conversa entre Ronaldo e Santos foi acalorada, como qualquer discussão em que os intervenientes discordam e argumentam. Ou seja, CR7 viu a condição de suplente como um castigo e não como "uma opção estratégica", como garantiu publicamente o selecionador, daí a reação mais a quente.

Seja como for, a questão da substituição, que levou ao desabafo despropositado de Ronaldo, no jogo com a Coreia do Sul (Portugal perdeu por 2-1) não foi pacífica, assim como não foi a decisão de colocar o capitão no banco.

Hoje, Otávio foi o jogador escolhido para abordar o duelo com Marrocos e garantiu que Ronaldo "nunca disse nada" sobre isso, "porque ele nunca quis ir embora". "É um exemplo e a seleção está junta com ele. Estamos todos unidos", sublinhou.

Sobre a mensagem de CR7, o portista concordou. "Tem toda a razão, estamos unidos e não são essas coisas de fora que vão entrar no grupo. Sabemos tudo o que se passa, dentro e fora, e só estamos concentrados em jogar e ganhar por Portugal", defendeu o médio, garantindo que "ninguém viu uma discussão ou algo parecido".

Segundo Otávio, "é normal o jogador ficar aziado quando não joga", mas quando se trata de Ronaldo ganha dimensão: "Tudo o que ele faz e não faz... é notícia." E a prova disso é que cinco em 11 perguntas feitas a Otávio na sala de imprensa foram sobre CR7. Para o jogador do FC Porto, o capitão "sempre mostrou estar comprometido com a seleção" e lamentou a exploração do lado negativo. "Quando está bem, a equipa está bem e quando a equipa está mal, ele também está. Ele é um exemplo. Mesmo sabendo que não ia jogar, sempre nos deu força. Estamos unidos", reforçou.

A palavra "nós", instituída por Fernando Santos para o Qatar 2022, continua a reger as manifestações públicas da comitiva portuguesa mas, a avaliar pelas inúmeras polémicas, o ambiente não será assim tão saudável.

Otávio afirmou ainda que a mudança e tarefas em relação ao FC Porto é indiferente: "Eu quero é jogar, seja pela direita ou pelo meio." E sendo ele colega de clube de Pepe sabe "do que ele abre mão" para chegar a um nível alto aos 39 anos: "Só um animal como o Pepe é que consegue. Parabéns. Acho que ele ainda tem mais alguns anos."

isaura.almeida@dn.pt

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG