Robinho condenado a nove anos de prisão por violência sexual

O futebolista brasileiro perdeu o recurso que tinha interposto num tribunal supremo de Roma.

Um tribunal de última instância de Itália confirmou esta quarta-feira a condenação do ex-futebolista brasileiro Robinho a nove anos de prisão por violência sexual de grupo.

O julgamento decorreu no Tribunal Supremo de Roma, onde os advogados do antigo jogador do Santos, Manchester City e Real Madrid apresentaram o último recurso, que culminou com nova condenação, cuja pena é executada de imediato.

Ainda assim, Robinho, de 37 anos, encontra-se a residir no Brasil e não poderá ser extraditado para Itália para cumprir a pena, tendo em conta a Constituição brasileira de 1988. Além disso, o tratado de cooperação judicial em matéria penal assinado em 1989 entre Itália e Brasil não prevê que uma condenação decretada pela justiça italiana seja aplicada em território brasileiro.

Neste contexto, Robinho apenas poderão ser presos se viajarem para o estrangeiro, desde que o Estado italiano emita um pedido internacional de detenção do futebolista.

Os factos que resultaram na condenação remontam a 22 de janeiro de 2013, quando Robinho e o amigo Ricardo Falco levaram uma mulher para um camarim de uma discoteca de Milão, onde terão consumado o crime.

A vítima acabou por denunciar o caso, tendo a polícia italiana aberto uma investigação, que envolveu escutas nos carros e nos telemóveis dos envolvidos. As conversas intercetadas, que vieram a público em 2020, serviram para que o Ministério Público italiano formulasse a acusação, que culminou na condenação de Robinho e Roberto Falco a nove anos de prisão.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG