Patrícia Mamona bate recorde nacional e fica em sexto no triplo salto

Colombiana Caterine Ibarguen é a nova campeã olímpica. Susana Costa ficou no 9.º lugar

Patrícia Mamona conseguiu ontem a melhor classificação de sempre do triplo salto feminino português, nos Jogos Olímpicos do Rio, ao terminar o concurso na 6.ª posição, graças a um salto de 14,65 metros à quinta tentativa. O salto permitiu à atleta do Sporting bater também o recorde nacional que já lhe pertencia (14,58m), desde que conquistou o título europeu este ano..

A nova campeã mundial é a colombiana Caterine Ibarguen (15,17 metros), que juntou assim o ouro olímpico ao título mundial conquistado em 2015, em Pequim, já depois de ter ficado com a medalha de prata nos Jogos de Londres 2012. No Rio, o pódio ficou completo com a venezuelana Yulimar Rojas (14,98m) e a cazaque Olga Rypakova (14,74m).

Nos seis saltos, Patrícia Mamona conseguiu, consecutivamente, os registos de 14,39m, 14,14m, 14,45m, 14,42m, 14,65m e, finalmente, 14,59m.

Já a portuguesa Susana Costa não conseguiu chegar à série dos três saltos finais e terminou na 9.ª posição, após dois nulos e 14,12 metros à terceira tentativa, menos 22 centímetros que o seu recorde pessoal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...