Atleta britânico ameaçado com uma arma. Comité diz que Rio não é seguro

Responsáveis pedem aos atletas que não usem equipamentos olímpicos fora da Aldeia e evitem táxis. Não sair de todo é o mais aconselhável, segundo o Comité britânico

Um atleta britânico, cuja identidade não foi revelada, foi ameaçado com uma arma, quando aproveitava a noite do Rio de Janeiro. A pessoa em causa não ficou ferida, mas tanto aletas como responsáveis ficaram chocados com a situação. Na sequência do ataque, o Comité Olímpico britânico tem apelado aos atletas para que não saiam da Aldeia Olímpica.

"O Rio não é um lugar seguro e o nível de criminalidade aumentou nos últimos dias", sublinham os responsáveis num email enviado aos desportistas britânicos a que o The Guardian teve acesso. O Comité aconselha-os ainda a evitar táxis e a não usarem o equipamento da equipa olímpica fora das infraestruturas para que não corram o risco de se tornarem alvos preferenciais.

Os responsáveis pela equipa britânica explicam também que qualquer saída da Aldeia será da própria responsabilidade dos atletas, já que dizem não conseguir garantir a sua segurança. O uso exclusivo dos meios de transporte fornecidos pela Associação Olímpica britânica e pela Organização Local está a ser aconselhado.

Alguns Comités Olímpicos de outros países já impuseram um recolher obrigatório à luz dos recentes problemas de segurança, uma medida ainda não reproduzida pelos britânicos. Os atletas do Reino Unido têm, porém, de informar os responsáveis antes de saírem das instalações em causa. A aprovação da proibição das saídas à noite é, no entanto, provável, se os riscos se mantiverem.

Os atletas serão ainda obrigados a frequentar uma reunião onde serão explicadas as medidas de prevenção (contra o crime e o roubo) a serem tomadas.

Muitos dos atletas britânicos queriam aproveitar a vida noturna brasileira depois de terminarem as suas competições, mas os riscos de segurança envolvidos nessas saídas parecem impossibilitar a concretização de tais desejos.

Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro têm ficado marcados por incidentes semelhantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.