Atleta britânico ameaçado com uma arma. Comité diz que Rio não é seguro

Responsáveis pedem aos atletas que não usem equipamentos olímpicos fora da Aldeia e evitem táxis. Não sair de todo é o mais aconselhável, segundo o Comité britânico

Um atleta britânico, cuja identidade não foi revelada, foi ameaçado com uma arma, quando aproveitava a noite do Rio de Janeiro. A pessoa em causa não ficou ferida, mas tanto aletas como responsáveis ficaram chocados com a situação. Na sequência do ataque, o Comité Olímpico britânico tem apelado aos atletas para que não saiam da Aldeia Olímpica.

"O Rio não é um lugar seguro e o nível de criminalidade aumentou nos últimos dias", sublinham os responsáveis num email enviado aos desportistas britânicos a que o The Guardian teve acesso. O Comité aconselha-os ainda a evitar táxis e a não usarem o equipamento da equipa olímpica fora das infraestruturas para que não corram o risco de se tornarem alvos preferenciais.

Os responsáveis pela equipa britânica explicam também que qualquer saída da Aldeia será da própria responsabilidade dos atletas, já que dizem não conseguir garantir a sua segurança. O uso exclusivo dos meios de transporte fornecidos pela Associação Olímpica britânica e pela Organização Local está a ser aconselhado.

Alguns Comités Olímpicos de outros países já impuseram um recolher obrigatório à luz dos recentes problemas de segurança, uma medida ainda não reproduzida pelos britânicos. Os atletas do Reino Unido têm, porém, de informar os responsáveis antes de saírem das instalações em causa. A aprovação da proibição das saídas à noite é, no entanto, provável, se os riscos se mantiverem.

Os atletas serão ainda obrigados a frequentar uma reunião onde serão explicadas as medidas de prevenção (contra o crime e o roubo) a serem tomadas.

Muitos dos atletas britânicos queriam aproveitar a vida noturna brasileira depois de terminarem as suas competições, mas os riscos de segurança envolvidos nessas saídas parecem impossibilitar a concretização de tais desejos.

Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro têm ficado marcados por incidentes semelhantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.