A água da piscina de saltos ficou misteriosamente verde

Água já foi analisada e não apresenta riscos para a saúde dos atletas

A piscina onde decorrem as provas de saltos para a água no Rio2016 ficou misteriosamente verde na noite de segunda-feira, com as posteriores investigações a serem inconclusivas quanto à causa.

O contraste foi evidente durante a prova de mergulho sincronizado feminino a 10 metros, na terça-feira, em água verde que contrastava claramente com o azul claro da vizinha piscina do polo aquático.

"Foram realizadas análises à água da piscina de saltos para a água do Centro Aquático Maria Lenk e foi verificado que não apresentam qualquer risco para a saúde dos atletas", sossegou o responsável das relações com os media.

Simon Langford revelou que "está a ser feita uma investigação para determinar a causa" da anormalidade, acrescentando que, ainda assim, "a competição decorreu com sucesso".

O atleta britânico Tom Daley, medalha de bronze em 10 metros sincronizados, twittou fotos dos dois planos de água em que se percebe claramente a diferença de cor entre as piscinas, acrescentando a legenda: "Hmm... o que aconteceu?"

Na terça-feira, os saltadores negaram qualquer impacto no seu desempenho.

"É bastante normal numa piscina exterior, pelo que isso não é realmente um problema para nós", disse a malaia Pandelela Rinong, medalha de prata juntamente com Cheong Jun Hoong.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".