Família de dirigente irlandês detido no Brasil pede ação do governo

O presidente do Comité Olímpico da Irlanda é suspeito de ter vendido ilegalmente bilhetes para os Jogos Olímpicos

A família do presidente do Comité Olímpico da Irlanda, Patrick Hickey, detido no Brasil por suspeita de venda ilegal de bilhetes para os Jogos Olímpicos Rio 2016, apelou à intervenção do governo irlandês relativamente às suas condições na cadeia.

Segundo comunicado da advogada que representa os familiares do dirigente desportivo, Anne Marie James, Hickey "está detido há mais de sete dias sem que tenha sido alvo de qualquer acusação".

A causídica apela aos ministros dos Negócios Estrangeiros, Charlie Flanagan, e dos Desportos, Shane Ross, no sentido da intervenção quanto às "condições extremamente preocupantes da sua detenção e encarceramento".

Entretanto, o comité irlandês anunciou ter designado um especialista para dirigir um inquérito independente sobre a venda ilegal de bilhetes para os Jogos do Rio 2016.

A polícia brasileira anunciou estar na posse de provas que incriminam Hickey, nomeadamente correspondência eletrónica trocada com o diretor da empresa que detinha os direitos de revenda dos ingressos para os Jogos de Londres (2012) e Sochi (2014), mas não para os do Rio de Janeiro.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG