34 atletas portugueses vão desfilar na Cerimónia de Abertura

Velejador João Rodrigues é o porta-estandarte e Pauleta também vai participar

A delegação portuguesa vai desfilar hoje na Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos Rio2016 com 34 atletas, entre os quais o velejador João Rodrigues, que, na sétima participação, será o porta-estandarte.

Segundo anunciou o Comité Olímpico de Portugal, estará ainda entre os atletas, no Estádio Maracanã, o ex-futebolista Pauleta, segundo melhor marcador da história de seleção 'AA', em representação da equipa de futebol.

Entre os presentes, o maior contingente é o do atletismo, com 11 atletas, incluindo o único campeão olímpico entre os 92 representantes lusos no Rio2016, Nélson Évora, medalha de ouro no triplo salto em Pequim2008.

Cátia Azevedo, Irina Rodrigues, João Vieira, Lorene Bazolo, Marta Onofre, Marta Pen, Patrícia Mamona, Sérgio Vieira, Susana Costa e Vera Barbosa são os outros representantes da modalidade que 'selou' os quatro ouros olímpicos de Portugal.

Por seu lado, o judo terá os seus seis representantes (Joana Ramos, Telma Monteiro, Sergiu Oleinic, Nuno Saraiva, Célio Dias e Jorge Fonseca), contra cinco da vela (João Rodrigues, Gustavo Lima, Jorge Lima, José Costa e Sara Carmo).

Pedro Martins e Telma Santos (badminton), José Carvalho (canoagem), Luciana Diniz (equestre), Filipa Martins, Ana Rente e Diogo Abreu (ginástica), Ricardo Melo Gouveia (golfe), Gastão Elias e João Sousa (ténis), Tamila Holub (natação) e João Monteiro (ténis de mesa) também estarão presentes.

Entre os atletas que competem no sábado, o tenista Gastão Elias é o único que marca presença, ao contrário dos ciclistas André Cardoso, José Mendes, Nélson Oliveira e Rui Costa, dos nadadores Alexis Santos e Victoria Kaminskaya, do atirador João Costa e de Shao Jieni, do ténis de mesa.

A Cerimónia de Abertura dos Jogos Olímpicos Rio2016 tem início marcado para as 20:00 locais (00:00 de domingo em Lisboa), no Estádio Maracanã, no Rio de Janeiro.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.