Poborsky teve uma doença rara e esteve em coma induzido

Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, o antigo jogador do Benfica contou o mistério médico que viveu em 2016.

"Qual é o seu nome?"

"Qual é o seu nome?"

Qual é o seu nome?"

Sete vezes fizeram os médicos a mesma pergunta a Karel Poborky. "Eu tentava, mas não conseguia responder. Não conseguia mexer qualquer músculo na cara. Estava completamente paralisado", contou o antigo ala direito do Benfica e do Manchester United na entrevista que deu ao Guardian este sábado.

Foi no verão de 2016. Poborsky deu entrada num hospital de Londres com uma infeção cerebral generalizada e os médicos decidiram-se de imediato por um coma induzido. Quando acordou, não conseguia mexer qualquer músculo da face. Passou três semanas de quarentena, com uns óculos especiais que o protegiam da luz e a receber doses venais de antibióticos. O que lhe aconteceu permanece um mistério médico, mas uma das causas pode ser esta: ter sido mordido por um inseto que vivia na sua barba.

Na mesma entrevista, o checo diz que, apesar de ter sido muito bem tratado em Portugal, é pelo Manchester United que o coração bate. Poborsky foi o carrasco da seleção portuguesa no Euro 1996, marcando o golo que eliminou Portugal nos quartos de final da competição. Nesse ano, transferiu-se para o United, onde jogou 32 partidas e marcou 6 golos. Ao Benfica chegou em 1998 e permaneceu duas épocas, disputando 61 jogos e marcando 11 tentos. Era, nessa altura, um dos jogadores mais queridos dos adeptos encarnados.

Exclusivos

Premium

Livro

Antes delas... ninguém: mulheres que desafiaram o domínio masculino

As Primeiras - Pioneiras Portuguesas num Mundo de Homens é o livro com as biografias de 59 mulheres que se atreveram a entrar nas profissões só de homens. O DN desvenda-lhe aqui oito dessas histórias, da barrista Rosa Ramalho à calceteira Lurdes Baptista ou às 'Seis Marias' enfermeiras-paraqueditas, entre outras