Três top 20 no Estoril Open 2015

Inscrições fecharam com a presença de três tenistas com ranking entre os 20 primeiros da hierarquia ATP: Feliciano Lopez (12), Kevin Anderson (17) e Tommy Robredo (19)

A organização do Estoril Open, cujo torneio realiza-se de 27 de abril a 3 de maio, deu a conhecer nesta terça-feira a lista de inscritos definitiva dos cabeças de cartaz. Faltam agora três wild cards que a organização vai distribuir.

As grandes novidades passam pela presença de três tenistas do top 20 - o espanhol Feliciano Lopez (12), o sul-africano Kevin Anderson (17) e o espanhol Tommy Robredo (19) - e mais três do top 30 - o francês Richard Gasquet (25), o espanhol Guillermo Garcia Lopez (26) e o argentino Leonardo Mayer (27).

O diretor do torneio, João Zilhão, congratula-se com o lote de praticantes que o Estoril Open conseguiu reunir. "Para a primeira edição do Millennium Estoril Open podemos desde já apresentar um naipe de competidores eclético e capaz de oferecer aos aficionados portugueses estilos atraentes e variados. Destaco também a possibilidade de podermos ver três bonitas esquerdas a uma mão entre os primeiros quatro cabeças de série. Num elenco no qual se destacam em número as escolas espanhola e francesa, temos alguns jogadores famosos pela sua espetacularidade e outros pela sua combatividade, com o nosso João Sousa perto do lote dos cabeças-de-série. Feliciano Lopez e Gilles Muller apresentarão a qualidade do seu jogo de rede, os virtuosos Richard Gasquet e Jeremy Chardy encantar-nos-ão com o seu estilo marcante da escola francesa, Nick Kyrgios e Borna Coric mostrar-nos-ão quem será o melhor da próxima geração, o carismático Marcos Baghdatis está a relançar a sua carreira ao mais alto nível com o técnico português António Van Grichen. Teremos serviços-canhão e muitas esquerdas a uma mão para um belo fogo-de-artifício, mas a principal vedeta será... o próprio torneio: estamos a fazer tudo para que se torne numa experiência inolvidável para todos aqueles que se deslocarão ao Clube de Ténis do Estoril".

A 25 de março, a organização do Estoril Open vai conceder uma conferência de imprensa na qual dará mais detalhes.

NOMES E CLASSIFICAÇÃO

1. Feliciano Lopez, 12º (Espanha, 33 anos)

2. Kevin Anderson, 17º (África do Sul, 28 anos)

3. Tommy Robredo, 19º (Espanha, 32 anos)

4. Richard Gasquet, 25º (França, 28 anos)

5. Guillermo Garcia Lopez, 26º (Espanha, 31 anos)

6. Leonardo Mayer, 27º (Argentina, 27 anos)

7. Jeremy Chardy, 34º (França, 28 anos)

8. Gilles Muller, 36º (Luxemburgo, 31 anos)

9. Nick Kyrgios, 37º (Austrália, 19 anos)

10. Adrian Mannarino, 38º (França, 26 anos)

11. João Sousa, 52º (Portugal, 25 anos)

12. Pablo Carreño-Busta, 55º (Espanha, 23 anos)

13. Borna Coric, 60º (Croácia, 18 anos)

14. Marcos Baghdatis, 61º (Chipre, 29 anos)

15. Carlos Berlocq, 67º (Argentina, 32 anos)

16. Albert Ramos Vinolas, 68º (Espanha, 27 anos)

17. Marinko Matosevic, 74º (Austrália, 29 anos)

18. Nicolas Almagro, 75º (Espanha, 29 anos)

19. Ricardas Berankis, 76º (Lituânia, 24 anos)

GABINETE DE IMPRENSA DO MILLENNIUM ESTORIL OPEN

17/03/2015

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.