Rosa Mota candidata ao Prémio Princesa das Astúrias 2015

A portuguesa Rosa Mota, campeã olímpica da maratona em 1988, é uma das candidatas ao Prémio Princesa das Astúrias 2015, na categoria Desporto, anunciou à Lusa o presidente do Comité Olímpico de Portugal.

Em declarações à agência Lusa, José Manuel Constantino confirmou que o COP e o Embaixador de Espanha em Portugal, Eduardo Junco Bonet, submeteram o nome da ex-atleta à Fundação Princesa das Astúrias, que em outubro anunciará os vencedores nas oito categorias.

A mesma fonte acrescentou que a candidatura de Rosa Mota foi subscrita pelo atual Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, e pelos ex-presidentes Jorge Sampaio, Mário Soares (Prémio Príncipe das Astúrias de Cooperação Internacional 1995) e Ramalho Eanes.

Também subscreveram a candidatura António Damásio (Prémio Príncipe das Astúrias de Investigação Científica 2005), Francisco Pinto Balsemão, Leonor Beleza e Prémio Nobel da Paz de 1996, o timorense José Ramos Horta.

O corredor queniano Paul Tergat (cinco vezes campeão mundial de corta-mato), o atleta etíope Haile Gebrselassie (Prémio Príncipe das Astúrias dos Desportos 2011), Fernando Lima Bello, Abel Anton e Martin Fiz (Prémio Príncipe das Astúrias dos Desportos de 1997 com a equipa espanhola de maratonas) e Paco Borao (presidente da Associação Internacional de Maratonas e Provas de Estrada) completam a lista dos subscritores.

O prazo para entrega das candidaturas terminou na passada quinta-feira, 12 de março, anunciou a Fundação Espanhola.

No total foram entregues 223 candidaturas, de 51 países, em oito categorias: Artes, Letras, Ciências Sociais, Comunicação e Humanidades, Investigação Científica e Técnica, Cooperação Internacional, Concordia e Desportos.

Cada vencedor recebe uma escultura de Joan Miró e uma quantia de 50 mil euros, além de um diploma e uma insígnia.

A atleta portuguesa Rosa Mota sagrou-se campeã olímpica da maratona em 1988 (Seul), campeã do Mundo em 1987 (Roma) e da Europa em três ocasiões (1982, 1986 e 1990). É considerada uma das maiores atletas de sempre naquela distância.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?