Portugueses fazem balanço positivo apesar dos azares

A Volta a França terminou com o habitual "desfile" nos Campos Elísios e com os quatro ciclistas portugueses que cortaram a meta a fazerem um "balanço positivo" depois de muitos azares.

O estreante Tiago Machado, que fez 11 etapas com as mazelas da queda à décima tirada, quando seguia na terceira posição da feral, chegou aos Campos Elísios acolhido por algumas bandeiras portuguesas e, no final, disse à agência Lusa ter sido "uma sensação muito boa chegar a Paris".

"O balanço foi positivo porque o objetivo principal era chegar a Paris e consegui. Mas fica sempre aquela dúvida: se não fosse a queda até onde poderia ir? Porque a condição física era boa, estava em terceiro na geral, já com alguma vantagem para muitos ciclistas, mas quis o destino que eu fosse deitado ao chão numa queda muito feia. Graças a Deus não parti nada, consegui chegar a Paris", disse o ciclista de Famalicão.

O ciclista da NetApp-Endura, que chegou a ser dado como desistente e que foi repescado pelo colégio de comissários da Volta a França, relembrou ainda que "as dores eram imensas no próprio dia" e que "o ciclismo é assim mesmo".

"O que não nos destrói torna-nos mais fortes, se não fosse tão violento não se chamava ciclismo", referiu.

Tiago Machado agradeceu o trabalho de José Mendes, "um amigo e colega de quarto", que lhe "deu alguma motivação porque não é fácil estar a discutir a prova num dia e no outro dia estar arredados da luta cheios de dores no corpo e a não conseguir dormir".

José Mendes, o outro estreante português da NetApp-Endura, fez "uma prova positiva pelo simples facto de ter terminado" e admitiu esperar voltar um dia.

"Estou contente por ter terminado a Volta a França. Era um sonho participar na maior prova de ciclismo mundial e o chegar a Paris é sem dúvida uma sensação incrível, independentemente do resultado que tenhamos conseguido na prova. Estar aqui hoje só por si é uma vitória, porque são três semanas de muito sofrimento e de muita dureza. No meu caso as sensações não foram as melhores, tive uma queda no primeiro dia e foi uma prova de bastante sofrimento", descreveu o corredor de 29 anos.

O ciclista de Guimarães elogiou ainda o amigo Tiago "que estava a fazer uma prova cinco estrelas e, de um momento para o outro, foi-se tudo abaixo, mas continuou em prova e terminou", acrescentando que o colega de equipa "mostrou que pode estar com os melhores e consegue superar as dificuldades".

Outro estreante na "Grande Boucle", Nelson Oliveira, campeão português de ciclismo de fundo ao de contrarrelógio, que reconheceu, no final da prova, que "o Tour foi duro para todos por causa do tempo e dificuldade na primeira semana", mas disse estar "com um sorriso por ter chegado aos Campos Elísios".

"Estou contente por ter acabado o meu primeiro Tour de França, esse era o meu objetivo principal desde o início. Ao princípio era ajudar o Rui [Costa] que infelizmente teve de abandonar, mas ficámos aqui, terminei e estou contentíssimo com este Tour", disse o ciclista de Anadia, de 25 anos, que tinha sido chamado para a escolta do campeão mundial em título de estrada, Rui Costa.

O português Sérgio Paulinho, vice-campeão olímpico em Atenas2004, também fez um "balanço positivo", apesar do abandono do espanhol Alberto Contador, na sequência de uma queda durante a décima etapa.

"Apesar de tudo o que aconteceu durante o Tour, é um balanço bastante positivo com três vitórias e a da classificação da montanha. Entrar aqui nos Campos Elísios é sempre uma adrenalina bastante grande, ver todo o público, com a sensação de ter acabado mais uma corrida de um grande sofrimento", reconheceu.

"Balanço positivo" também para José Azevedo, diretor desportivo da Katusha, que destacou o trabalho do norueguês Alexander Kristoff.

"Conseguimos duas etapas com o Kristoff, outras três em que foi segundo e outra terceiro. Ou seja, o pior lugar que ele faz no sprint é terceiro. Tivemos a equipa que assumiu também responsabilidades no final. Para nós é importante sentir que os corredores começam a fazer esse tipo de trabalho", declarou o diretor desportivo da equipa russa.

Tiago Machado e José Mendes (NetApp-Endura) terminaram as provas nos postos 72 e 124, respetivamente, Nelson Oliveira (Lampre-Merida) ficou na 87.ª posição, Sérgio Paulinho (Tinkoff-Saxo) foi 89.° classificado.

O campeão do mundo Rui Costa (Lampre-Merida), recorde-se, desistiu à entrada da última semana com uma broncopneumonia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG