José Garcia pretende reforçar a ajuda aos atletas

O novo chefe de Missão de Portugal aos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro 2016, José Garcia, assumiu esta terça-feira o seu total enfoque e vocação para ajudar os atletas a "alcançar mais".

"Estou no desporto desde que me conheço. Pratiquei várias modalidades, competi numa série delas. Fui três vezes atleta olímpico. Fui treinador, dirigente e gosto de desporto. Sou empenhado, dedicado e essencialmente quero ajudar os outros a alcançar mais", revelou.

Em declarações à Lusa, o antigo canoísta explica que ao aceitar este desafio pretende "promover ao máximo o desporto nacional e o país, criando as melhores condições para os atletas nas participações das missões do Comité Olímpico de Portugal".

Mesmo que em cenário de crise, José Garcia admite a possibilidade de Portugal melhorar o desempenho de Londres2012.

"Conhecendo os atletas portugueses, sabemos que com pouco conseguem fazer muito. Têm empenho e motivação para promover o desporto que praticam e o país. Isso é, com certeza, um forte aliado para os bons resultados. Todos farão o máximo para superar os seus melhores resultados", assegura.

Suceder a Mário Santos, de quem foi vice-presidente na Federação Portuguesa de Canoagem, entre finais de 2004 e 2013, na bem-sucedida gestão com 76 medalhas em Europeus e Mundiais, é um "desafio" que encara com naturalidade.

"Sou um profundo admirador da carreira desportiva do Mário Santos. Conhecemo-nos há muito tempo e reconheço nele enorme capacidade, paixão pelo desporto e, essencialmente, o forte conhecimento das modalidades e do desporto nacional. O exemplo da sua gestão, da chefia de missão em Londres é um bom exemplo e nós precisamos deles. Isso cria alguns desafios, mas também facilita, pois os bons exemplos são sempre facilitadores", explicou.

José Garcia diz que é "prematuro" falar-se no adjunto de Missão, recordando que ainda agora foi designado para o cargo. Ainda assim, quer um colaborador "que sinta a paixão do olimpismo, do desporto e do país".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.