Vitória polémica de Vettel na Malásia

O tricampeão mundial de Fórmula 1 Sebastian Vettel enfureceu o seu companheiro de equipa Mark Webber, ao fazer uma ultrapassagem arriscada que lhe garantiu a vitória no Grande Prémio da Malásia, na segunda prova do campeonato.

Para assumir a liderança da classificação de pilotos e conquistar o seu 27.º triunfo na Fórmula 1, o alemão da Red Bull, que partiu da "pole position", circulou roda com roda com Webber, segundo na corrida, e foi severamente repreendido pelo chefe da equipa Christian Horner.

O britânico Lewis Hamilton, campeão do Mundo em 2008, chegou pela primeira vez ao pódio ao volante do novo Mercedes, beneficiando das orientações dadas ao companheiro de equipa, o alemão Nico Rosberg, para que não o ultrapassasse na fase final.

O brasileiro da Ferrari Felipe Massa terminou no quinto lugar, "roubando" o protagonismo ao espanhol Fernando Alonso, campeão em 2005 e 2006, que abandonou a corrida na segunda volta com a asa dianteira danificada.

O finlandês Kimi Raikkonen, vencedor da primeira prova do Mundial de 2013 e que liderava a classificação de pilotos, não foi além do sétimo posto, atrás do seu companheiro de equipa na Lótus Romain Grosjean. Nico Hulkenberg, Sergio Perez e Jean-Eric Vergne completaram o "top10" da corrida malaia.

Vettel e Webber trocaram palavras nas instalações da Red Bull e permaneceram indiferentes durante a cerimónia protocolar do pódio.

Mais tarde, o alemão pediu desculpas ao australiano, uma vez que os dois pilotos tinham recebido indicações para manterem as posições até ao final.

"Não estou totalmente feliz. Eu acho que cometi um grande erro. Nós devíamos ter permanecido nas posições em que estávamos e eu não ignorei intencionalmente as indicações, mas errei e acabei por resgatar a liderança ao Mark [Webber]", explicou Vettel, que destronou Raikkonen do primeiro lugar da classificação de pilotos.

O alemão disse compreender a insatisfação de Webber e lamentou que as suas desculpas não alterem o estado de espírito do australiano.

"Eu consigo ver como ele está chateado. Eu quero ser honesto e pelo menos dizer a verdade, apesar de saber que isso agora não ajuda muito aos seus sentimentos", reconheceu Vettel.

O início da corrida foi antecedido de uma chuva tropical que deixou o circuito de Sepang escorregadio e, logo no início, Alonso viu-se obrigado a desistir, depois de um toque no "duelo" com Webber.

Numa das várias idas às "boxes", que promoveram a alternância do comandante da corrida entre Webber e Vettel, Hamilton protagonizou um momento caricato, ao dirigir-se para a zona da McLaren, antes de ter sido avisado pela estrutura da Mercedes de que estava na sua antiga equipa.

Com Webber na dianteira, Vettel conseguiu ultrapassar Hamilton e investiu no primeiro lugar, protagonizando a ultrapassagem perigosa ao australiano, quando faltavam 10 voltas para terminar a corrida.

"Este é o Sebastien louco", desabafou o chefe da Red Bull Christian Horner no rádio da equipa, enquanto Hamilton beneficiava da tática da equipa Mercedes, que "impediu" Rosberg de tentar o último lugar do pódio.

"Realmente não é a melhor das sensações estar aqui", admitiu Hamilton, que completou uma cerimónia do pódio atípica, em que nenhum dos três pilotos estava satisfeito com o seu resultado.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.