Tarzan Taborda e Carlos Rocha heróis esquecidos

Da luta livre que esgotava o Parque Mayer nos anos 60 às transmissões na TVI, ao domingo,  e na SIC Radical.

Quando se fala em wrestling em Portugal, associa-se quase de imediato esse tipo de luta livre à figura de Tarzan Taborda, um lendário lutador português que combateu nos palcos nacionais e internacionais ao melhor nível entre os anos 50 e os 70 do século passado.

Muitos adeptos da luta livre recordam os combates em palcos montados no Coliseu dos Recreios, Parque Mayer e Pavilhão dos Desportos entre Tarzan Taborda e José Luís, que levavam ao rubro os milhares de portugueses que esgotavam esses espaços enchendo também páginas dos jornais. A verdade é que, nos Estados Unidos e Canadá, outro nome português fazia sucesso na modalidade. Carlos Rocha era um nome conhecido nos anos setenta. Em 1977, o emigrante no Canadá, já com 50 anos combateu e ficou conhecido como o "Campeão Português" . Nos anos 80, o wrestling desapareceu por completo em Portugal, precisamente na mesma altura que nos EUA a modalidade iniciava a grande expansão até aos dias de hoje. Só em 1992, reapareceu em Portugal pela televisão, com a RTP a transmitir os primeiros espectáculos de wrestling com comentários do locutor António Macedo. A partir daí, mas com comentários de Tarzan Taborda, passou a ser líder de audiência há hora de almoço de sábado.

Actualmente, as exibições podem ser seguidas na TVI (dia 11 o programa teve uma audiência média de 1,3% e 15,6% de quota de mercado, ou seja 127 mil telespectadores) e na SIC Radical.

Em 1994, a WWE esteve em Portugal com um espectáculo a 10 de Outubro. Realizaram-se combates com portugueses em 1999, em Penamacor. Hoje existem duas ligas rivais. A Associação Portuguesa de Wrestling (APW) fundada em 1993 e sediada no Algarve que atribuiu o título de campeão nacional a Juan Casanova. Em Queluz foi criada a Wresling Portugal que atribuiu o último título a Bruno Brito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.