Rui Machado melhor português de sempre com o 59.º posto

Rui Machado atingiu hoje a melhor classificação de sempre de um português no "ranking" mundial ATP de ténis ao alcançar o 59.º posto, numa tabela que continua a ser liderada pelo sérvio Novak Djokovic e que não sofreu alterações no "top-10".

O tenista luso chegou sábado às meias-finais do torneio "challenger" de Madrid, onde participou como primeiro cabeça-de-série, mas perdeu frente ao espanhol Daniel Gimeno-Traver, terceiro favorito, por 1-6 e 4-6.

Por ter chegado às meias-finais, Rui Machado arrecadou 2.130 euros e somou mais 29 pontos para o "ranking", o que o fez subir três posições, do 62.º para o 59.º posto, superando o 61.º posto alcançado a 19 de Setembro e que constituía a melhor classificação de um tenista luso.

O "top-10" mantém-se inalterável com Novak Djokovic a liderar e a aumentar a distância de pontos sobre o espanhol Rafael Nadal.

A grande mudança no "ranking" vai para a subida de quatro posições do sérvio Janko Tipsarevic, que é agora 13.º do mundo, naquela que é a melhor classificação da sua carreira, graças ao seu primeiro título ATP conquistado domingo em Kuala Lumpur, frente ao cipriota Marcos Baghdatis.

O britânico Andy Murray, que venceu o torneio de Banguecoque, permanece no quarto posto mundial, atrás de Djokovic, de Rafael Nadal e do suíço Roger Federer.

A esperança norte-americana Donald Young (22 anos), finalista na capital tailandesa, continua a sua progressão no "ranking", tendo subido 12 posições para ocupar agora o 43.º posto.

Frederico Gil, que a 25 de Abril deste ano atingia, então, a melhor posição de um tenista luso na hierarquia mundial, com o 62.º posto, é agora 98.º.

No "ranking" feminino, a russa Vera Zvonareva, finalista do torneio de Tóquio, subiu ao terceiro lugar trocando de posição com a bielorussa Victoria Azarenka.

A liderança mantém-se nas mãos da dinamarquesa Caroline Wozniacki, apesar de ter sido eliminada nos oitavos de final do torneio de Tóquio, enquanto a segunda posição é para a russa Maria Sharapova.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.