Richie Porte vence Volta ao Algarve

Terceiro lugar no contrarrelógio confirma a vitória do ciclista australiano. Rui Costa e Tiago Machado perdem lugar no pódio.

O ciclista australiano Richie Porte (Sky) conquistou este domingo a Volta ao Algarve, depois de ser terceiro no contrarrelógio final de 28,5 quilómetros, entre Lagoa e Portimão, conquistado pelo britânico Bradley Wiggins (Sky).

Wiggins bateu o alemão Tony Martin (Omega Pharma-Quickstep) por apenas 0,73 segundos e o seu companheiro de equipa Porte por 13,78.

Na geral, Porte ficou com 37 segundos de avanço sobre Martin, 44 sobre Wiggins e 50 sobre o holandês Jurgen Vanden Broeck (Lotto). Os portugueses Rui Costa (Movistar) e Tiago Machado (Radioshack) saíram do pódio e caíram para quinto (a 58 segundos) e sexto (a 1.02 minutos), respetivamente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.