Pedro Isidro foi 21.º nos 50 km marcha em Pequim com novo recorde pessoal

"Surpreendi-me a mim próprio. Não estava à espera de bater um recorde pessoal", disse o atleta no final da prova.

O atleta português Pedro Isidro terminou este sábado em 21.º lugar os 50 km marcha dos Campeonatos do Mundo de atletismo, a decorrer em Pequim, com um novo recorde pessoal de 3:55.44 horas.

"Surpreendi-me a mim próprio", disse o atleta à agência Lusa, visivelmente satisfeito com a sua prestação. "Não estava à espera de bater um recorde pessoal. Estava mais à espera de fazer uma boa classificação. A marca não estava a contar muito, por causa do calor e da humidade que se tem feito sentir", explicou.

A meio da prova, Pedro Isidro corria no 34.º lugar, mas, depois, foi melhorando progressivamente: "Comecei a levar as coisas com muita calma e no fim estava a sentir-me bem, e continuei a reagir. Foi uma prova muito controlada".

Para o português, esta prestação deve-se também à sua atual forma física: "Não tive problema nenhum de mazelas, nem quebras, nem nada disso".

Questionado se ainda tinha "pedalada" para mais 50 quilómetros, respondeu de imediato: "Garanto que não!"

Depois de ter tido "muitos percalços" na época passada, o atleta do Benfica diz agora que sai de Pequim com "mais ânimo" para os Jogos Olímpicos do Rio2016.

"Deus queira que consiga estar a 100%", concluiu.

Na mesma prova, o eslovaco Matej Toth conquistou a primeira medalha do seu país num Mundial de Atletismo ao terminar em primeiro, com 3:40.32 horas, enquanto o australiano Joren Tallent foi segundo classificado, com 3:42.17.

O japonês Takayuki Tanni fechou o pódio ao percorrer os 50 quilómetros da prova em 3:42.55 horas.

Dezasseis atletas portugueses participam nos Mundiais de Atletismo que decorrem até domingo no Ninho do Pássaro, o estádio que acolheu os Jogos Olímpicos Pequim2008.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...