Nuno Lopes é o novo técnico do Sporting

O treinador de hóquei em patins Nuno Lopes assumiu esta quarta-feira o comando técnico dos leões, rubricando contrato por época e meia, e sucede a Hugo Gaidão na liderança dos "leões".

A ocupar atualmente o 13.º lugar do campeonato nacional e em zona de despromoção, Gilberto Dias Borges, responsável pela secção do Sporting, e João Alves, diretor-geral, alinharam pelo mesmo diapasão, mostrando total confiança no plantel e nas qualidades do novo treinador.

O presidente "leonino", Bruno de Carvalho, também marcou presença e afirmou esperar que Nuno Lopes mostre "as garras do leão" para servir bem o clube, de forma a que os jogadores deem "uma resposta cabal àquilo que são os pergaminhos do Sporting".

"O hóquei é um projeto que nos orgulha muito. Nos nossos escalões de formação estamos na luta por todos os títulos nacionais e regionais. Nos séniores, uma má fase permite fazer alterações. O trabalho não vai ser fácil. Acredito que vamos fazer melhor, porque temos atletas para isso", disse Bruno de Carvalho.

Perante duas dezenas de associados, presentes no auditório Artur Agostinho, no Estádio José Alvalade, Nuno Lopes mostrou forte vontade de garantir a manutenção da equipa na I divisão e não escondeu a emoção de defrontar, na próxima jornada, o clube que agora deixa, o Sporting de Tomar.

"Será um dia de grandes emoções. Agradeço a todos os que me ajudaram a chegar aqui. A partir de hoje será esta a minha casa, é este o meu clube. Tenho de defender estas cores. Este é um desafio que ambicionava há muito. Estamos prontos para ele", disse Nuno Lopes.

Quando ainda faltam 42 pontos para disputar, o agora treinador dos "leões" acredita que o atual plantel tem todas as condições para atingir os objetivos delineados desde o início da temporada.

"Não tenho dúvidas de que o plantel dá garantias. Temos 11 jogadores séniores e alguns juniores. Têm muita qualidade e vamos garantir a manutenção", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.