Naide Gomes anuncia final de carreira

A atleta olímpica, que conquistou 10 medalhas entre Europeus e Mundiais, deu por terminada a carreira, aos 35 anos, devido a problemas físicos.

A atleta Naide Gomes anunciou, nesta quinta-feira, o final de carreira, aos 35 anos, três semanas após ter admitido que não sabia se voltaria a competir, devido a problemas físicos que se arrastam desde 2013.

"Não tenho dores no pé, mas surgiu outro problema no joelho, que me impede de treinar", referiu, no início de março, a atleta do Sporting, campeã europeia no salto em comprimento em 2005 e 2007 e campeã mundial de pentatlo, em 2004, e também de salto em comprimento, em 2008.

Naide Gomes, na hora do "adeus", teceu grandes elogios ao seu treinador, Abreu Matos, falando sempre no plural. "Convidei-vos para anunciar que terminámos a nossa carreira, depois de longos anos, muitos sucessos e também insucessos. Já chorei muito, já ri muito, mas principalmente rimos juntos. Vivemos grandes momentos", recordou.

A atleta natural de São Tomé e Príncipe, que vive em Portugal desde os 11 anos e se naturalizou em 2001, conquistou, ainda, mais quatro medalhas de prata em Europeus, além de outra medalha de prata em Mundiais e uma de bronze, sempre no salto em comprimento.

Naide Gomes, que representou Portugal nos Jogos Olímpicos de 2004 e 2008, sagrou-se 17 vezes campeã nacional em salto em comprimento e não compete desde 2013, devido a uma calcificação junto ao tendão de Aquiles, ao qual foi operada em 2012, devido a uma rotura.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.