Morreu Sergei Belov, ex-campeão olímpico de basquetebol

Sergei Belov, membro da equipa da União Soviética que se sagrou campeã olímpica de basquetebol em 1972, em Munique, morreu aos 69 anos, vítima de doença prolongada, noticia esta quinta-feira a agência russa ITAR-TASS.

Na final dos Jogos de Munique72, a URSS bateu os Estados Unidos por 51-50, com 20 pontos de Belov, acabando com a hegemonia dos norte-americanos, que haviam ganho os primeiros sete torneios de basquetebol olímpico (1936 a 1968).

Belov conta igualmente no seu palmarés dois títulos de campeão do mundo (1967 e 1974) e quatro cetros europeus (1967, 1969, 1971 e 1979).

O base/extremo soviético é considerado um dos melhores jogadores europeus de sempre, tendo sido o primeiro não norte-americano a integrar o "Hall of Fame" do basquetebol, em Indiana.

Nos anos 90, Sergei Belov treinou a equipa da Rússia, que terminou em segundo lugar os Mundiais de 1994 e 1998, disputados no Canadá e na Grécia, respetivamente.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.