Morreu o mestre internacional de xadrez Joaquim Durão

Colaborador do Diário de Notícias ao longo de muitos anos, Joaquim Durão foi campeão nacional de xadrez por 13 vezes, um recorde absoluto. Morreu esta quinta-feira aos 84 anos.

Joaquim Durão, o primeiro jogador português a receber o título de mestre internacional de xadrez, morreu hoje, aos 84 anos, disse à agência Lusa fonte familiar.

Campeão nacional por 13 vezes, recorde absoluto, Joaquim Durão representou Sporting e o Benfica, foi presidente da Federação Portuguesa de Xadrez em três períodos diferentes (1968-1973, 1988-1997 e 2005-2007).

Além de ter integrado o Comité Executivo da federação internacional da modalidade, entre 1982 e 1996, exerceu também as funções de vice-presidente do organismo internacional, entre 1994 e 1996.

Joaquim Durão recebeu do Presidente da República Jorge Sampaio a Ordem do Mérito Comendador. Durante vários anos, colaborou com as páginas de xadrez do Diário de Notícias.

O corpo de Joaquim Durão estará ao final desta tarde de quinta-feira na Igreja São de Deus, em Lisboa. O funeral realiza-se amanhã, às 16.00, na mesma igreja, e o corpo segue depois para o crematório do cemitério dos Olivais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Calma que isto é Portugal

Deve ter sido lá pelas duas, duas e meia, eu dava voltas a um texto que não se deixava domesticar e as pálpebras queixavam-se do cansaço, do fumo das cigarrilhas e de algumas metáforas rebuscadas. Quando me preparava para a última revisão ouvi alguém que descia a rua e pareceu estacar junto à janela do escritório. Um breve silêncio e logo o som inconfundível de um líquido que jorra por ação humana e o suspiro de alívio que o costuma acompanhar.

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.