João Paulo Fernandes admite erros da equipa de boccia

O atleta português reconheceu esta terça-feira que equipa de BC1/BC2 "cometeu alguns erros" na derrota, por 5-7, frente à Grã-Bretanha, no encontro para atribuição da medalha de bronze, nos Jogos Paralímpicos Londres 2012.

"Cometemos alguns erros, eles também foram muito fortes e no último parcial houve qualquer coisa que não correu bem", afirmou o João Paulo Fernandes, que integra a equipa juntamente com Fernando Ferreira, Cristina Gonçalves e Abílio Valente.

O atleta, que parte para a competição individual de BC1 na condição de bicampeão paralímpico, garantiu que agora a sua preocupação é estar concentrado para a prova, que começa na quarta-feira.

"Agora é pensar jogo a jogo, no final do jogo de amanhã (quarta-feira) penso no seguinte. Quero estar concentrado, é isso que me preocupa", disse, acrescentando: "Tenho de ter pensamentos positivos, porque é a única maneira de os Jogos me correrem bem".

Medalha de ouro em Atenas 2004 e em Pequim 2008, João Paulo Fernandes não se assume como favorito ao 'tri' em Londres 2012.

"Eu sou mais um entre outros, aqui as medalhas do passado não interessam, como diz o meu psicólogo, Rui Gomes, eu agora tenho de estar concentrado, relaxado e de cabeça limpa para fazer os meus jogos", disse.

Também Filinto Carvalho, treinador de Fernando Ferreira, admitiu que a equipa portuguesa foi "vítima" da "falta de entendimento e de comunicação entre alguns jogadores".

A equipa portuguesa, que hoje terminou em quarto lugar o torneio paralímpico de boccia, integrava três dos quatro atletas que alcançaram, na mesma prova, a medalha de prata em Pequim 2008.

Abílio Valente, estreante em Jogos Paralímpicos, substitui na equipa paralímpica o atleta António Marques.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.