Joana Ramos conquista medalha de ouro

A judoca portuguesa Joana Ramos conquistou hoje a medalha de ouro no Grande Prémio de Astana, na categoria de -52 kg, ao vencer na final Christianne Legentil (36.ª do Mundo), das Ilhas Maurícias, por ippon.

A judoca do Sporting, que não ganhava uma medalha de ouro num Grande Prémio desde 2010, quando venceu em Abu Dhabi, somou 300 pontos para o "ranking" mundial, num momento em que se situa na 34.ª posição. Este ano, Joana Ramos tinha como melhor resultado a medalha de prata conquistada em setembro no Grande Prémio de Zagreb.

São pontos importantes para a judoca, tendo em conta a hierarquia na qualificação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016, que hoje, na competição disputada na capital do Cazaquistão, começou por bater adversárias mais bem cotadas.

Na final, com uma vitória a 1.04 minutos do fim, depois de aplicar uma técnica de luxação a Legentil, Joana Ramos tinha uma rival abaixo de si, mas antes teve que vencer judocas mais bem posicionadas.

No caminho, a atleta olímpica portuguesa venceu a mongol Bundmaa Munkbaatar (15.ª), a belga Ilse Heylen (18.ª) e a israelita Gili Cohen (7.ª).

Na capital do Cazaquistão, a seleção portuguesa, acompanhada pelo técnico Michel Almeida, ainda terá em prova Carlos Luz (-81 kg), no sábado, e Célio Dias (-90 kg), no domingo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".