Joana Ramos conquista medalha de ouro

A judoca portuguesa Joana Ramos conquistou hoje a medalha de ouro no Grande Prémio de Astana, na categoria de -52 kg, ao vencer na final Christianne Legentil (36.ª do Mundo), das Ilhas Maurícias, por ippon.

A judoca do Sporting, que não ganhava uma medalha de ouro num Grande Prémio desde 2010, quando venceu em Abu Dhabi, somou 300 pontos para o "ranking" mundial, num momento em que se situa na 34.ª posição. Este ano, Joana Ramos tinha como melhor resultado a medalha de prata conquistada em setembro no Grande Prémio de Zagreb.

São pontos importantes para a judoca, tendo em conta a hierarquia na qualificação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016, que hoje, na competição disputada na capital do Cazaquistão, começou por bater adversárias mais bem cotadas.

Na final, com uma vitória a 1.04 minutos do fim, depois de aplicar uma técnica de luxação a Legentil, Joana Ramos tinha uma rival abaixo de si, mas antes teve que vencer judocas mais bem posicionadas.

No caminho, a atleta olímpica portuguesa venceu a mongol Bundmaa Munkbaatar (15.ª), a belga Ilse Heylen (18.ª) e a israelita Gili Cohen (7.ª).

Na capital do Cazaquistão, a seleção portuguesa, acompanhada pelo técnico Michel Almeida, ainda terá em prova Carlos Luz (-81 kg), no sábado, e Célio Dias (-90 kg), no domingo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".