Joana Ramos conquista medalha de ouro

A judoca portuguesa Joana Ramos conquistou hoje a medalha de ouro no Grande Prémio de Astana, na categoria de -52 kg, ao vencer na final Christianne Legentil (36.ª do Mundo), das Ilhas Maurícias, por ippon.

A judoca do Sporting, que não ganhava uma medalha de ouro num Grande Prémio desde 2010, quando venceu em Abu Dhabi, somou 300 pontos para o "ranking" mundial, num momento em que se situa na 34.ª posição. Este ano, Joana Ramos tinha como melhor resultado a medalha de prata conquistada em setembro no Grande Prémio de Zagreb.

São pontos importantes para a judoca, tendo em conta a hierarquia na qualificação para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016, que hoje, na competição disputada na capital do Cazaquistão, começou por bater adversárias mais bem cotadas.

Na final, com uma vitória a 1.04 minutos do fim, depois de aplicar uma técnica de luxação a Legentil, Joana Ramos tinha uma rival abaixo de si, mas antes teve que vencer judocas mais bem posicionadas.

No caminho, a atleta olímpica portuguesa venceu a mongol Bundmaa Munkbaatar (15.ª), a belga Ilse Heylen (18.ª) e a israelita Gili Cohen (7.ª).

Na capital do Cazaquistão, a seleção portuguesa, acompanhada pelo técnico Michel Almeida, ainda terá em prova Carlos Luz (-81 kg), no sábado, e Célio Dias (-90 kg), no domingo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.