Filipa Martins em três finais na Colômbia

A ginasta portuguesa vai disputar três finais na Taça do Mundo, na Colômbia, enquanto Gustavo Simões vai participar na final de argolas.

A portuguesa Filipa Martins qualificou-se para as finais de pararelas assimétricas, solo e trave na Taça do Mundo de ginástica artística de Medellin, na Colômbia, onde Gustavo Simões será finalista em argolas.

Nas qualificações de sexta-feira, madrugada de sábado em Portugal, Filipa Martins foi a ginasta mais pontuada em paralelas assimétricas (13.825 pontos) e no solo (13.100) e segunda na trave (13.150).

"Fiz uma prova limpa e fiquei contente com o resultado final. Para as finais é esperar pelos resultados do trabalho dos próximos dias", afirmou a ginasta.

Gustavo Simões foi o quarto argolas, com 14.900 pontos, não conseguindo um desempenho semelhante no cavalo com arções, tendo terminado na nona posição, logo fora da final.

"Relativamente ao objetivo principal da minha participação aqui nesta Taça do Mundo, a primeira parte está cumprida que era conseguir o apuramento para a final nas argolas. Agora é esperar pelo resultado que irei conseguir obter na final e só depois se verá se o objetivo principal, que é ficar no 'top-3' do ranking da FIG [Federação Internacional de Ginástica], foi cumprido", comentou.

As finais disputam-se neste sábado, a partir das 20.00 de Portugal continental.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.