Estoril Open salvo com a manutenção dos 'courts'

Juan Martín del Potro, vencedor em 2011, é o cabeça de cartaz da 23.ª edição do torneio português.

O diretor do Estoril Open em ténis, João Lagos, mostrou-se muito mais aliviado com a resolução do problema da manutenção dos courts para a 23.ª edição, que chegou a estar em risco mas foi apresentada esta quarta-feira como um dado adquirido.

Resolvido problema dos pisos em terra batida, com a intermediação do Instituto do Desporto de Portugal (IDP), representado esta quarta-feira na cerimónia de apresentação pelo presidente Augusto Baganha, a 23.ª edição, entre 28 de abril e 6 de maio será uma realidade e continuará cimentada na sua vaga do calendário do circuito mundial.

"Era impensável o torneio não se realizar, por um ano que seja. Se o torneio falhasse, seria a morte definitiva", considerou João Lagos, lembrando o grande número de interessados a ocupar eventuais abertas no calendário.

O diretor do Estoril Open, prova que este ano terá pela primeira vez dois portugueses com entrada direta no quadro principal (Rui Machado e Frederico Gil), recordou que "há torneios a mais no circuito" e outros que "gostariam de entrar".

"Sempre que há alguém que possa falhar a sua semana, escusado será dizer que ela vai ser ocupada por outro, ou mesmo extinta, até porque existe um movimento dos jogadores que deseja fazer alguns cortes no calendário", frisou.

Para João Lagos, a presença de Augusto Baganha na cerimónia de apresentação foi mais um sinal que os courts vão estar em condições para receber a elite do ténis mundial.

"É nestes momentos mais difíceis que mais se verifica a solidariedade. Estamos todos envolvidos para que esta edição seja mais uma edição de grandes prestigio para o ténis e desporto nacional", garantiu o presidente do IDP.

Augusto Baganha admitiu que existiram algumas dificuldades, "por estar a ser vivido um período que não é fácil", mas o Estoril Open, "também um fator de desenvolvimento económico e social", vai mesmo para a frente.

O Estoril Open de 2012, que continua a distribuir um total de 600 000 euros em prémios (450 000 em masculinos e 220 000 em femininos), terá como principais cabeças de cartaz, para já, o argentino Juan Martín del Potro, o campeão de 2011, e o francês Gael Monfils.

Em femininos, também está assegurada a presença da campeã em título, a espanhola Anabel Medina Garrigues, mas a russa Nadia Petrova, antiga top-3 mundial (agora no 35.º posto da hierarquia), canaliza as maiores atenções.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)